Por paulo.gomes

Rio - Que tal acompanhar o andamento da obra em todas as etapas? Ou receber informações sobre lançamento imobiliário via celular? E mais: poder, via telefone também, contratar serviços pay-per-use (pague somente se usar) ou reservar espaços comuns do condomínio? Esta é a nova realidade do mercado imobiliário, com ferramentas tecnológicas que proporcionam mais comodidade ao cliente. As opções são trunfo na venda do imóvel.

Na Leduca, por exemplo, o drone (equipamento que registra imagens da obra, dando vista panorâmica) é usado para complementar relatórios fotográficos. “O cliente pode acompanhar o andamento da obra com todos os detalhes”, explica Rodrigo Rocha, gerente de marketing da empresa.

Dependendo do caso, o equipamento necessita de autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Com a proibição de panfletagem nos sinais e no trânsito do Rio, a solução criada pela Sensorial foi mostrar as ofertas por geolocalização. Quando os veículos param em sinais ou em engarrafamentos num raio de até sete quilômetros do estande de vendas, as pessoas recebem dados pelo celular sobre o produto. A média é de 15 mil “disparos” por dia.

A Brookfield investiu em aplicativo (Android e IOS) de decoração para o Damai Residences & Lifestyle, no Recreio dos Bandeirantes. A ferramenta oferece passeio em 3D pelos projetos, com detalhes em escala real. A Coelho da Fonseca investe em soluções mobile.

“Mais de 25% dos acessos já se dão por meio de aparelhos móveis, e 90% dos potenciais compradores acessam canais digitais da companhia antes de finalizar a compra”, afirma Allan Fonseca, diretor de Marketing Digital.

No Friends, da Living na Zona Norte, há aplicativo com informações, vídeo e passeio virtual pela unidade decorada.

Condomínio na palma da mão

Para os condomínios prontos, a agência carioca H1 desenvolveu aplicativo (Android e IOS) que facilita a vida dos moradores. Segundo Leonardo Silveira, diretor da empresa, por meio do celular é possível contratar serviços pay-per-use, e reservar espaços como quadra de tênis e churrasqueira, além de marcar no Facebook os convidados para eventos programados.

“Na Barra, por exemplo, onde há bairros planejados e condomínios com número expressivo de moradores, o aplicativo fará a diferença”, destaca.

Ele conta que a ferramenta é bem aceita pelas construtoras. “As empresas acreditam que o mobile condominial, além de facilitador, é poderoso argumento de venda do imóvel”, diz.

Você pode gostar