Por thiago.antunes

Rio - Os ministros da Defesa, Celso Amorim, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, vieram até o Rio nesta quarta-feira para reuniões a portas fechadas com o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, e representante da Gendarmaria — que faz a segurança do Santo Padre.

Segundo Cardozo, estão sendo feitas adaptações para que o esquema de segurança do Papa seja ‘exitoso’. O Vaticano nega alterações no roteiro do Santo Padre, mas especula-se que as reuniões possam anteceder algumas mudanças.

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) avaliou terça-feira que as manifestações são uma “fonte de ameaça” à Jornada Mundial da Juventude. Já há uma marcada na Internet, contra o governador do Rio, para o próximo dia 28.

“Tudo que diz respeito à vinda do Papa foi discutido. Estamos fazendo as adaptações, ouvindo sugestões do Vaticano e eles ouvindo as nossas, para que possamos ter plano de segurança exitoso”, afirmou Cardozo, ao sair do encontro no Palácio Guanabara. A primeira reunião foi na Secretaria de Segurança Pública, no Centro.

Sem querer falar se as adaptações trariam mudanças no roteiro, o ministro disse que a blindagem do Papamóvel ainda é discutida. Os dois carros que chegaram ao Rio são abertos e teriam sido exigência de Francisco. “Estamos avaliando essa situação. Temos que oferecer o melhor padrão de segurança possível”, afirmou Cardozo.

Jovem representará maristas ao lado do pontífice

Mariana Chaim, uma curitibana de 18 anos que faz trabalho voluntário em comunidades carentes desde os 12, foi a escolhida para representar o Grupo Marista do mundo inteiro e ficar lado a lado com o Papa Francisco no palco em Guaratiba, na Jornada.

A jovem passou por um teste de fogo logo de cara: depois de receber por telefone a notícia de que fora a escolhida, teve de manter segredo até mesmo da família, por uma semana, até que o convite oficial chegasse em suas mãos.

Mariana (dir) agora está no Rio%2C onde se reunirá com 300 jovens maristas dos cinco continentes para evento que antecede a JornadaDivulgação

“Minha vontade era gritar, pular de alegria e dividir a felicidade com meus pais e meus amigos. Mas não podia. Foi difícil, mas aguentei”, lembrou Mariana, que sempre estudou em colégio marista e agora faz faculdade de Direito na PUC do Paraná.

O segredo foi trancado a sete chaves a pedido do padre Carlos Sávio, assessor da Jornada, de quem também partiu o convite. Os dois se conheceram num evento católico em Natal (RN), em fevereiro último, e mantêm contato desde então.

“Vai ser emocionante ficar ao lado do Papa. Como sempre fui devota de São Francisco de Assis, vou dar de presente ao Santo Padre uma imagem pequenina que minha tia me deu quando eu tinha 5 anos. E vou ver se consigo que ele benza os pequenos terços que estou levando. São para dar de lembrança aos meus familiares”, disse a moça.

Mariana agora está no Rio, onde se reunirá com 300 jovens maristas dos cinco continentes para o evento 'Change: Faça a Diferença! III Encontro Internacional de Jovens Maristas', que antecede a Jornada. O encontro será no Colégio Marista São José, na Tijuca, com representantes de mais de 30 países para discutir lideranças, política e sociedade.

Você pode gostar