Topo do Monte Fuji ganha serviço de conexão à internet 4G

Serviço estará disponível somente durante a temporada de escalada para dar cobertura aos 400 mil turistas

Por O Dia

Tóquio (Japão) - As operadoras japonesas Softbank e NTT Docomo começaram a oferecer serviços de conexão à internet de alta velocidade no topo do Monte Fuji, o ponto mais alto do país e que foi designado Patrimônio Mundial da Unesco recentemente.

Para poder oferecer este serviço de internet 4G, as duas principais operadoras de telefonia celular do país tiveram que instalar duas antenas no cume do "Fujisan", a 3.776 metros, informou nesta sexta-feira a agência "Kyodo". O serviço estará disponível somente durante a temporada de escalada, entre julho e agosto, para dar cobertura aos 400 mil turistas que visitam a cada ano este enclave turístico e sagrado do país.

Além das duas principais operadoras, a KDDI, terceira no mercado japonês, também planeja começar a oferecer este tipo de serviço no topo do Fuji, um fato que poderia beneficiar quase a totalidade dos usuários de telefonia celular. Habitualmente, a escalada do Fuji, transformado em um dos principais símbolos do Japão, é realizada durante a noite e após um percurso de aproximadamente 6 horas por algumas das quatro rotas que dão acesso ao topo.

Neste caso, a ideia é ver o nascer do sol em pleno cume. Neste ano, como novidade, a subida começará a ser cobrada a partir do próximo dia 25, sendo pouco mais de R$ 20 por pessoa, que servirá para preservação da zona e melhorias nas medidas de segurança.

Por conta dessas medidas anunciadas e pelo fato de ter sido considerado um Patrimônio Mundial recentemente, as autoridades esperam que esta temporada registre um considerável aumento no número de turistas que desejam escalar o monte sagrado, situado cerca de 100 quilômetros de Tóquio. Além de ser uma grande atração turística, o Fuji também é um vulcão ativo, cuja última erupção ocorreu em 1707. Em paralelo a este fato, o local recebe uma estreita e contínua vigilância por se encontrar em uma grande zona sísmica.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência