Por tabata.uchoa

Rússia - Após 24h do anúncio de que Edward Snowden, o ex-técnico da CIA requerido pela Justiça dos Estados Unidos, teria decidido pedir asilo político na Rússia, as autoridades do país afirmaram neste sábado que ainda não receberam o pedido formal.

"Até o dia de hoje não recebemos nenhuma solicitação de Snowden", declarou o chefe do Serviço Federal de Migração (SFM) da Rússia, Konstantin Romodanovski, à agência "Interfax". Caso receba o pedido de asilo, acrescentou Romodanovski, "este será analisado de acordo com a lei".

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, declarou hoje que "para obter asilo político é preciso cumprir com determinados procedimentos, e o primeiro passo é dirigir-se ao Serviço Federal de Migração".

Snowden, que desde o dia 23 de junho está na zona de trânsito do aeroporto de Sheremetievo em Moscou, anunciou que solicitará asilo político na Rússia devido à impossibilidade de viajar para os países latino-americanos que lhe ofereceram refúgio.

O homem, que divulgou para a imprensa um esquema de espionagem em massa das comunicações pelos serviços secretos dos Estados Unidos, manifestou sua vontade em uma reunião com representantes de organizações dos direitos humanos, advogados e inclusive o defensor público da Rússia, Vladimir Lukin.

Segundo os participantes da reunião, Snowden se comprometeu a não prejudicar os interesses dos Estados Unidos, uma condição imposta pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, para que pudesse permanecer no país. Lavrov afirmou hoje que as autoridades russas não mantêm nenhum contato com Snowden e que se inteiraram através dos meios de comunicação dos planos que o ex-técnico da CIA expôs a seus interlocutores na reunião realizada na zona de trânsito de Sheremetievo. A reunião com Snowden gerou uma polêmica nos Estados Unidos, que acusou à Rússia de oferecer ao ex-técnico uma "plataforma de propaganda".

Ontem à noite, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou para Putin e os dois falaram sobre assuntos relativos à cooperação bilateral e sobre a situação de Snowden. O porta-voz de Putin, Dmitri Peskov, se limitou a destacar que o telefonema foi uma iniciativa do presidente americano e não ofereceu mais detalhes sobre a conversa. A Rússia declarou em várias ocasiões que não vai extraditar o ex-técnico da CIA para os Estados Unidos e que não acredita que o caso Snowden vai afetar as já difíceis relações entre os dois países.

Os presidentes das duas câmaras do Parlamento da Rússia se pronunciaram a favor da concessão de asilo a Snowden. Os trâmites do processo de asilo poderiam levar entre duas e três semanas, segundo o advogado Anatoli Kucherena, um dos participantes da reunião de Sheremetievo. "Se a Rússia aceitar o pedido de Snowden, será uma catástrofe para as tensas relações entre Moscou e Washington", escreveu hoje o jornal russo "Kommersant".

Mas segundo o especialista em política internacional e diretor da revista "Rossia v globalnoi politike", Fiodor Lukianov, se a Rússia receber o pedido de asilo de Snowden "não restará uma alternativa além de concedê-lo, e isso significa que ele ficará no país durante muito tempo".

Para Alexei Pushkov, presidente do Comitê de Assuntos Internacionais da Duma, a câmara baixa do Parlamento russo, a concessão de asilo a Snowden pode provocar "uma nova escalada na campanha anti-Rússia nos EUA". "Mas é preciso dizer que essa escalada vem acontecendo com regularidade desde antes do caso Snowden por diferentes motivos, de modo que não haverá uma mudança qualitativa na situação", disse Pushkov, citado pela agência oficial russa "RIA Novosti".

O agravamento das tensões entre Rússia e EUA traz uma sombra sobre os preparativos da cúpula que Putin e Obama devem realizar em Moscou nos dias 3 e 4 de setembro. As autoridades russas criticaram as especulações na imprensa sobre a possibilidade de que a cúpula possa ser cancelada e destacaram que os preparativos para a reunião de Moscou estão seguindo o cronograma previsto.

Você pode gostar