Por julia.amin

Roraima - O Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) realiza desta segunda-feira até sexta um mutirão de cirurgias no Hospital Geral de Roraima, em Boa Vista. Serão atendidos 25 pacientes com artroplastia primária de joelho. A doença desgasta a articulação, que, em muitos casos, precisa ser substituída por uma prótese.

O projeto Suporte consiste em levar profissionais especializados para promover cirurgias em locais com baixa oferta de serviços na área de traumatologia e ortopedia e na redução do tempo de espera dos pacientes. Segundo o médico e coordenador do Into, José Luís Ramalho, o trabalho é realizado de acordo com a necessidade dos estados.

“O projeto Suporte visa a criar uma estrutura do serviço de ortopedia em nível nacional. Nós fazemos a articulação com o estado solicitante e seguimos até o local para uma avaliação clínica prévia dos pacientes que serão operados, antes do embarque de todo o grupo. No caso de Roraima, é um projeto assistencial”, disse José Luís Ramalho.

De acordo com ele, serão feitas em média seis cirurgias por dia. “Hoje realizamos quatro cirurgias, pois foi o primeiro dia e até organizar tudo demorou um pouco, então começamos tarde. Os pacientes beneficiados têm entre 65 e 70 anos e ficam internados por três dias no hospital. Depois, a recuperação demora cerca de três meses, com sessões de fisioterapia", explicou.

A equipe do projeto Suporte é composta por 15 profissionais da área de saúde, entre eles médicos, enfermeiros e técnicos, que estão envolvidos diretamente na ação. As secretarias de Saúde disponibilizam a estrutura hospitalar e o Into fornece todo o material para as cirurgias, como insumos, implantes e próteses. Após os procedimentos cirúrgicos, médicos da região se encarregam do tratamento e da recuperação dos pacientes.

Você pode gostar