Autoridades encontram 11 corpos com sinais de tortura no Cairo

Detido reconheceu nos interrogatórios que ele e outros manifestantes torturaram vítimas em uma das tendas de campanha

Por O Dia

Cairo (Egito) - O Ministério do Interior do Egito informou nesta segunda-feira que foram encontrados 11 corpos com sinais de torturas nos últimos dias na zona de Rabea al Adauiyar e na praça de Al-Nahda, no Cairo, onde os islamistas realizam seus protestos. Em comunicado, este departamento explicou que seis corpos foram encontrados em Rabea al Adauiyar, enquanto outros cinco apareceram em Al-Nahda.

Além disso, dez feridos denunciaram perante as forças de segurança terem sido torturados por manifestantes nestes dois lugares e acusaram membros da Irmandade Muçulmana de ter-lhes agredido. Por outro lado, a polícia encontrou três corpos com sinais de tortura na zona de Al Omraniya, na província de Guiza, próxima ao Cairo, e deteve um dos acusados de ter efetuado o crime.

O detido reconheceu nos interrogatórios que ele e outros manifestantes da praça de Al-Nahda torturaram as vítimas em uma das tendas de campanha montadas no local. O Ministério do Interior afirmou em comunicado que investiga cada fato para identificar os agressores e pediu aos cidadãos que comuniquem qualquer incidente deste tipo.

Na segunda-feira à noite, o Conselho de Defesa Nacional solicitou aos manifestantes islamitas de Rabea al Adauiya e de Al-Nahda que anunciem "imediatamente" sua renúncia a todo tipo de violência e de terrorismo. Além disso, advertiu que vigiará os protestos e tomará medidas estritas contra qualquer violação da lei.

Estes manifestantes são seguidores do deposto presidente Mohammed Mursi que rejeitam o golpe militar do dia 3 e organizam protestos contínuos para pedir seu retorno ao poder.

Os islamitas convocaram novas manifestações para hoje e amanhã, coincidindo com a visita da chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Catherine Ashton, que se reuniu no Cairo com as novas autoridades egípcias.

Ashton pediu às partes no Egito que mantenham o autocontrole e se afastem da violência. O Cairo foi palco na noite da sexta-feira de sangrentos distúrbios que deixaram 72 seguidores de Mursi mortos e cerca de 300 feridos.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência