Por julia.amin

Washington - Os Estados Unidos garantiram nesta quinta-feira que estão "extremamente decepcionados" com o governo russo depois da concessão de asilo temporário ao ex-técnico da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) Edward Snowden. Eles advertiram que estão reavaliando a "utilidade" da cúpula bilateral prevista para setembro.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, assegurou que o Governo americano reavalia "a utilidade" da cúpula bilateral que o presidente Barack Obama previa manter com o presidente russo Vladimir Putin na Rússia em setembro, em paralelo à reunião do G20. "Snowden não é um informante", disse Carney, ressaltando que o ex-técnico é perseguido pela justiça americana por vazar informação secreta. "Deve ser devolvido aos Estados Unidos o mais rápido possível, onde passará pelo devido processo e receberá completa proteção. Esta decisão do governo russo mancha um longo histórico de cooperação policial, uma cooperação que foi demonstrada recentemente após os atentados da maratona de Boston", afirmou o porta-voz.

Carney garantiu também que os EUA vão continuar em contato com as autoridades russas e disse que "não há absolutamente nenhuma justificativa legal" para que o asilo temporário seja concedido a Snowden. Ao deixar o aeroporto moscovita de Sheremetyevo nesta quinta-feira, após mais de um mês retido na área de trânsito, Snowden agradeceu à Rússia pelo asilo e disse que finalmente "a lei está vencendo".

"Nas últimas oito semanas, vimos que o Governo de (Barack) Obama não demonstra respeito pelas leis internacionais ou nacionais, mas finalmente a lei está vencendo", afirmou o ex-técnico em uma declaração publicada no Wikileaks.

Você pode gostar