Rússia espera ajuda de Snowden em investigação sobre espionagem americana

'Nosso objetivo é averiguar quais são os pontos vulneráveis na proteção dos dados pessoais e eliminá-los', afirmou senador russo

Por O Dia

Snowden permaneceu quase um mês e meio no aeroporto de Sheremetyevo em moscouReuters

Moscou (Rússia) - A Rússia anunciou nesta terça-feira que espera contar com a ajuda do ex-técnico da CIA Edward Snowden, a quem as autoridades russas concederam asilo temporário, na investigação sobre a apropriação de dados pessoais de cidadãos russos aos serviços de inteligência dos Estados Unidos.

"Hoje mesmo vou entrar em contato com Snowden. A informação que poderia nos proporcionar não prejudicará os interesses dos EUA, lá já não há novidades. É proteção de dados pessoais", disse o senador russo Ruslan Gattárov, citado pela agência oficial "RIA Novosti".

O legislador lidera uma comissão especial adjunta do Conselho da Federação (câmara alta do Parlamento russo) para investigar os vazamentos ocasionados pelas atividades dos serviços secretos americanos.

Além disso, integrarão a comissão vários funcionários do Ministério das Relações Exteriores, do Ministério de Comunicações e da Procuradoria Geral da Rússia.

"Nosso objetivo é averiguar quais são os pontos vulneráveis na proteção dos dados pessoais e eliminá-los", afirmou Gattárov.

A comissão investigadora apresentará em setembro novas propostas para introduzir emendas na legislação russa que buscarão endurecer as condições de confidencialidade de dados pessoais nas redes sociais. Na segunda-feira , um analista político russo não descartou novos vazamentos do fugitivo no caso de os EUA impuserem sanções contra Moscou.

"Se de repente a lista Magnitski é ampliada, Snowden poderia 'lembrar' alguns detalhes sobre os serviços em que trabalhou", assegurou o diretor do Centro de Informações Políticas, Alexei Mujin. Snowden deixou no dia 1º o aeroporto Sheremetyevo de Moscou, onde permaneceu quase um mês e meio em espera de que as autoridades russas lhe dessem o asilo temporário. Desde então, não se sabe o paradeiro do homem requisitado pela justiça dos EUA.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência