Polícia analisa novas pistas sobre a morte de Diana

Apuração das informações recebidas sobre o caso, que envolveu ainda o namorado da princesa, vão passar por avaliações de um comando especial

Por O Dia

Londres (Inglaterra) - As circunstâncias das mortes da princesa Diana e de seu namorado, Dodi Al Fayed, vítimas de acidente de automóvel em Paris, em 1997, voltaram a ser analisadas. Neste sábado, a polícia de Londres divulgou estar apurando possíveis novas pistas relacionadas ao caso. A “credibilidade e a relevância” das informações recém-recebidas ainda vão passar por avaliações de um comando especial. A polícia, no entanto, deixou claro que a iniciativa não significa a reabertura das investigações sobre o episódio.

A princesa Diana tinha 36 anos quando morreu no acidente em 1997Efe

“(As mortes) já foram cuidadosamente investigadas e examinadas” por um inquérito prévio levado à Justiça londrina, informou ontem a Polícia Metropolitana. A Scotland Yard não divulgou detalhes sobre quais seriam as novas pistas.

Segundo o comunicado policial, a apuração atual não está relacionada à chamada “Operação Paget”, uma investigação das suspeitas de que Diana e seu namorado teriam sido assassinados, teoria endossada à época pelo pai de Dodi, Mohamed Al Fayed.

Teorias infundadas

A operação concluiu em 2006 que as teorias eram infundadas. Dois anos depois, inquérito sobre o caso concluiu que o casal foi morto por conta da “grosseira negligência” de seu motorista, Henri Paul, também morto no acidente. Paul estaria bêbado enquanto dirigia, e os ocupantes do carro não estariam usando cintos de segurança.

Diana, ex-mulher do príncipe Charles e mãe dos príncipes William e Harry, tinha 36 anos. Ela, Dodi e Paul estavam em uma Mercedes alugada que colidiu com um pilar em um túnel parisiense. O casal havia acabado de sair de um hotel na cidade e tentava escapar de paparazzi que os seguiam de moto. O único sobrevivente foi o guarda-costas de Dodi, Trevor Rees-Jones.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência