Censura chinesa varre comentários a favor de político do governo na Web

Autoridades só permitem comentários contra ex-líder do Partido Comunista acusado de suborno, desvio e abuso de poder

Por helio.almeida

Desde que em 18 de agosto foi anunciado o julgamento do ex-secretário do Partido Comunista da China Bo Xilai, as autoridades chinesas permitiram, após meses de censura a um tema ainda tabu, que fóruns de internet e redes sociais comentem o caso, mas só passam pelo filtro as opiniões contrárias ao ex-líder comunista deposto.

Bo, cuja esposa, Gu Kailai, foi condenada à prisão perpétua no ano passado pelo assassinato do empresário britânico Neil Heywood, enfrenta as acusações de suborno, desvio e abuso de poder, segundo anunciou em 25 de julho o próprio tribunal.

Bo enfrenta acusações de suborno%2C desvio e abuso de poderReuters

O julgamento foi anunciado em um microblog do Weibo (o "Twitter chinês") por uma conta do Tribunal de Jinan especificamente criada para dar a notícia, e milhares de comentários responderam, mas todos contra Bo, apesar de durante anos ter sido um dos políticos mais carismáticos e populares do país.

"Bo Xilai era um pequeno Mussolini", diz, por exemplo, um famoso blogueiro chinês, que sob o pseudônimo de "O Mestre Mesquinho" tem mais de 1 milhão de seguidores. "Se Bo cometeu os crimes dos quais é acusado (desvio de dinheiro, suborno e abuso de poder) deve receber uma pena rigorosa, porque a sentença deve passar pelo teste do povo e da História", opina outro popular comentarista na rede, o escritor e historiador Lu Qi.

O site "Offbeat China", que analisa as tendências da rede chinesa, ressalta que os comentários que o governo permite que sejam publicados sobre o caso, após meses em que houve quase silêncio total nos veículos de imprensa, são ou ataques a Bo ou elogios ao governo por julgar a um peso pesado da política nacional.

O "Offbeat China" considera suspeito que muitos comentaristas nos fóruns sobre o tema deixam opiniões repetidas várias vezes e em diferentes fóruns, o que evidência certo afã propagandístico. Pode se tratar, ressalta, do chamado "exército aquático de internet", que é chamado assim por "inundar" as redes com opiniões quase sempre pró-governo.

Apesar dos esforços de censura, alguns comentaristas conseguiram deixar críticas veladas ao sistema político da República Popular, onde segundo eles a corrupção é a norma. Um internauta que assina "Xiao Bai", comentou que na China é comum dizer ou pensar que alguém "pode ser um pouco corrupto quando além disso trabalhar para o povo", porque "é melhor isso do que não fazer nada".

O bloqueio das opiniões críticas com o julgamento ou a favor de Bo, foi lamentado, em outros fóruns, por internautas como um que, sob a assinatura "Xiaojigua Guizi" afirma que "é impressionante ver o uniformes que são os comentários, parece que estejamos no desfile militar do Dia Nacional".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia