Por juliana.stefanelli

Damasco (Síria) - O primeiro-ministro da Síria, Wael al Halqi, disse nesta quarta-feira que seu país se transformará no "cemitério dos invasores" e acusou os Estados Unidos e seus aliados de utilizarem "argumentos falsos" para justificar uma intervenção militar.

"A Síria vai ser o cemitério dos invasores, não vai se assustar por ameaças colonialistas e nenhuma força do mundo poderá vencê-la", afirmou Halqi durante um ato com deputados do país. Diante da crescente pressão internacional que aponta para um iminente ataque, o chefe do governo assegurou que a Síria "vai sair da crise fortalecida".

Corpos snedo enterradosEFE

Halqi disse que sem país combaterá a "mentira da acusação do Ocidente com a resistência do povo sírio, sua coesão e apoio ao exército", segundo declarações divulgadas pela agência oficial "Sana". O primeiro-ministro culpou os Estados Unidos, Israel e os países ocidentais por "criarem mentiras e empregarem argumentos falsos como o uso de armas químicas" para lançar um ataque. Segundo sua opinião, essa eventual intervenção se deve à "resistência dos sírios e às vitórias do valente exército contra os terroristas".

Halqi argumentou que "os países que batem os tambores de guerra contra a Síria são os mesmos que cometem os massacres no Iraque, Líbano e outras nações". O primeiro-ministro acusou esses países de "absorverem o sangue árabe mediante o roubo de suas riquezas" e responsabilizou Estados Unidos e Israel por implantar "o terrorismo e a Al Qaeda no mundo". Halqui acrescentou que grupos extremistas como a Frente al Nusra, que combate o regime sírio, são "o braço de Washington e Israel na região".

Você pode gostar