Por paulo.gomes

Londres (Inglaterra) - Imagine carregar um sorriso permanente no rosto. É o que acontece com o menino britânico Ollie Petherick, de 2 anos. Ele sofre da Síndrome de Angelman, um problema genético raro. Além da dificuldade de aprendizado e de locomoção, ocasionada pelo problema, outro sintoma da doença é que ele não para de sorrir.

Ollie Petherick sofre da Síndrome de Angelman%2C uma doença ainda sem curaReprodução Internet

Segundo o jornal britânico "Daily Mail", a mãe de Ollie, Annie Campbell, conta que notou que havia algo errado com o filho quando constatou que ele não conseguia se concentrar. Aos seis meses, já era possível perceber que seu desenvolvimento não era tão rápido quanto o do irmão mais velho.

“Eu me preocupo com ele no futuro e me pergunto como saberei se alguma vez ele ficar chateado ou triste, quando a Síndrome de Angelman faz com que ele fique tão feliz todo o tempo”, afirma Annie.

Segundo Annie Campbell%2C mãe de Ollie%2C o sorriso do filho não a deixa desanimarReprodução Internet

Moradora de Devizes, no Reino Unido, ela levou a criança a um hospital, onde foi constatado que o problema era neurológico. Antes mesmo do diagnóstico, a mãe já estava convencida de que o filho tinha a síndrome, já que conhecia o assunto após ter lido sobre ele em uma revista.

Ainda segundo o "Daily Mail", para a mãe, por enquanto, o sorriso do filho faz com que todas as dificuldades valham a pena.

Não há cura para a Síndrome de Angelman, mas há alguns tratamentos para os seus sintomas. O distúrbio neurológico foi relatado pela primeira vez em 1965 pelo neurologista britânico Dr. Harry Angelman.

Você pode gostar