Distúrbios no Chile deixam feridos, detidos e veículos incendiados

Chefe da polícia de Santiago recebeu pedrada no crânio e sofreu contusão cerebral

Por O Dia

Santiago do Chile (Chile) - Uma série de distúrbios ocorridos na noite de quarta-feira e nesta madrugada no Chile, coincidindo com os 40 anos do golpe militar no país, deixou mais de trinta feridos, veículos incendiados, dezenas de detidos e 100 mil lares sem luz. Segundo a polícia, 33 carabineiros ficaram feridos nos enfrentamentos. Entre eles o general Rodolfo Pacheco, um dos chefes da polícia de Santiago, que sofreu uma contusão cerebral ao receber uma pedrada no crânio.

Durante os distúrbios, seis ônibus e cinco automóveis particulares foram queimados. Os incidentes se estenderam por zonas da periferia de Santiago. Os manifestantes ergueram barricadas e dispararam contra a polícia, que utilizou jatos de água e gás lacrimogêneo. Muitos locais ficaram sem abastecimento de luz em função de correntes que foram jogadas nos cabos elétricos. Aproximadamente 100 mil casas ficaram sem luz, informou a Chilectra, a principal distribuidora elétrica da capital chilena.

Em Santiago, ocorreram saques em estabelecimentos comerciais, e no município de Prado, um supermercado e uma agência bancária foram queimados. Um relatório preliminar da polícia relatou que 36 pessoas foram presas em Santiago, enquanto também houve incidentes em Valparaíso, Concepción e outras cidades chilenas.

As autoridades desdobraram 8.000 policiais só em Santiago para reforçar a segurança no 40º aniversário do golpe que o general Augusto Pinochet liderou em 11 de setembro de 1973 para derrubar o governo de Salvador Allende e instaurar uma ditadura.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência