Rebeldes sírios rejeitam acordo Rússia-EUA e dizem que continuarão sua luta

Líder disse que plano é 'estratégia para ganhar tempo e encontrar salvação para regime criminoso'

Por O Dia

Damasco (Síria) - O chefe do Exército Livre Sírio (ELS), Salim Idris, rejeitou neste sábado o acordo alcançado entre Rússia e Estados Unidos para que Damasco coloque seu arsenal químico sob controle internacional e disse que os rebeldes continuarão sua luta contra o regime.

"Não estamos interessados em nenhuma parte da iniciativa porque nós não temos armas químicas. Meus colegas e eu continuaremos os combates até a queda do regime", prometeu Idris em entrevista coletiva concedida em Istambul, na Turquia, transmitida pelas televisões árabes.

O líder rebelde se queixou que o plano apresentado por Moscou para que Damasco deixe suas armas químicas sob supervisão internacional não fala do povo sírio nem do armamento convencional. "É como se o sangue dos sírios fosse uma ponte para destruir só as armas químicas", queixou-se Idris.

Exército livre sírioReuters

Para o líder, não é possível que um "criminoso entregue a ferramenta do crime e seja deixado livre". "É preciso levar Assad (o presidente sírio, Bashar al Assad) para os tribunais internacionais", pediu. Além disso, Idris expressou sua desconfiança com a Rússia, país considerado "parceiro no assassinato dos sírios".

Para o dirigente rebelde, o plano é uma "estratégia para ganhar tempo e encontrar uma salvação para o regime criminoso". Idris denunciou que nos últimos dias os rebeldes receberam informações de que as autoridades sírias estão transferindo armas químicas ao Líbano e ao Iraque para ganhar tempo.

Mas apesar de rejeitar o plano russo, aceito pelo governo sírio, o opositor assegurou que o ELS não vai obstaculizar o trabalho dos inspetores internacionais que vierem para a Síria para verificar o desmantelamento do arsenal químico. "Facilitaremos seus movimentos, mas não vai haver um cessar-fogo", avisou.

Idris explicou que a oposição armada não tem intenção de comparecer nas negociações com o regime em Genebra até conseguir "garantias de que Bashar e seu grupo criminoso não terão um lugar na Síria" no futuro.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência