Brasileiro é discriminado por disputar eleições na Alemanha

Fabrício, que é candidato a deputado, recebeu passagem de avião de partido que não quer estrangeiros na disputa

Por O Dia

Alemanha - Um brasileiro que é candidato a deputado na Alemanha está sentindo na pele o preconceito por não ser natural do país. O gaúcho Fabrício do Canto, de 42 anos, faz parte de uma lista de pessoas que sofrem discriminação por parte de um grupo de nacionalistas que não querem estrangeiros disputando o parlamento alemão. A eleição acontece neste domingo.

Canto faz parte de partido que vem crescendo por ser conhecido como transparente e devido a insatisfação da população com a políticaDivulgação

O recado foi dado através de uma encomenda direcionada a Canto: uma passagem de avião fictícia só de ida, enviada também para outros políticos que não nasceram na Alemanha. O remetente não foi nenhuma surpresa: trata-se do diretório do ultradireitista Partido Nacional Democrático da Alemanha (NPD), que vem causando embates devido aos discursos xenófobos.

Canto é do Partido Pirata, que vem ganhando força por ser considerado transparente e por causa da insatisfação com a política tradicional no país. Os piratas conseguiram 9% dos votos para as eleições estaduais de Berlim – isso deu a eles 15 cadeiras no Parlamento, sendo a quarta maior bancada.

Só de ida%3A Bilhete de avião fictício enviado por partido ultradireitaReprodução Internet

Em sua página no Facebook, Fabrício agradeceu o apoio que recebeu nas redes sociais contra o que chamou de “estupidez da direita na Alemanha”. Em entrevista à rede alemã Deutsche Welle (DW), o brasileiro afirmou que prestou queixa na polícia por temer um atentado xenófobo.

"Agora, tenho que pensar duas vezes antes de sair para passear de bicicleta ou fazer um passeio com a família”, afirmou Fabrício, que é casado com uma indiana e tem três filhos. Ele mora desde 2010 em Berlim, mas vive na Alemanha desde 1994, com temporadas no Brasil e na Ásia.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência