Papa: Não cabe 'intervenção espiritual' para homossexuais e divorciados

Francisco disse que 'Deus acompanha às pessoas e é nosso dever acompanhá-las a partir de sua condição'

Por O Dia

Vaticano - O papa Francisco afirmou que "Deus na criação nos fez livres e que "não cabe uma ingerência espiritual na vida pessoal", ao resumir seu discurso sobre divorciados e os homossexuais. Em uma longa entrevista de 27 páginas concedida ao padre Antonio Spadaro e publicada nesta quinta-feira na revista dos jesuítas "A Civiltá Cattolica", o pontífice também se refere ao papel da mulher na Igreja e considera "necessário ampliar os espaços para uma presença feminina mais incisiva".

Sobre os divorciados e homossexuais, Francisco disse que "é preciso ter sempre em conta à pessoa" e acrescenta: "Deus acompanha às pessoas e é nosso dever acompanhá-las a partir de sua condição".

PapaEfe

"Uma vez uma pessoa, para me provocar perguntou se eu aprovava a homossexualidade. Então respondi com outra pergunta "Diga-me, Deus quando olha uma pessoa homossexual aprova sua existência com afeto ou a rejeita e a condena?", relembrou.

Da entrevista é possível perceber a importância que o pontífice dá ao tema das mulheres. Para o pontífice, "é necessário ampliar os espaços para uma presença feminina mais incisiva na Igreja, temo a solução do 'machismo com saias' porque a mulher tem uma estrutura diferente do homem, mas os discursos que ouço sobre a mulher frequentemente se inspiram em uma ideologia machista".

"As mulheres estão formulando questões profundas que devemos enfrentar. A Igreja não pode ser ela mesma sem a mulher e o papel que desempenha. A mulher é indispensável". Sobre a Igreja, diz que "é a casa de todos, não uma 'capelinha' na qual cabe só um grupinho de pessoas escolhidas. Não podemos reduzir o seio da Igreja universal a um ninho protetor de nossa mediocridade". E, em um tom humilde e simples, o papa se definiu como um pecador: "Sou um pecador em quem Deus pôs os olhos".

Últimas de _legado_Mundo e Ciência