Por tamyres.matos

Rio - Sentar e levantar são ações aparentemente simples, que integram o cotidiano e... podem prever risco de morte. Pesquisa realizada por médicos, educadores físicos e fisioterapeutas do Rio e de Minas Gerais mostrou que dificuldades para realizar os movimentos podem ser sinal de alguma doença. Entre os participantes da pesquisa que precisaram de ajuda para executá-los, a taxa de óbito chega a ser dez vezes maior do que entre aqueles que os fizeram sozinhos.

Os especialistas brasileiros inventaram o Teste Sentar e Levantar (TSL), como uma ferramenta para avaliar os riscos de morte. Eles analisaram, de 1997 a 2011, duas mil pessoas entre 51 e 80 anos. Todas eram moradores do Estado do Rio. Foram excluídos atletas e pessoas com alguma deficiência física.

Sentar no chão e levantar sem apoios e sem ajuda era a tarefa dos voluntários. Para cada falha na ação, pontos eram descontados. Entre as 121 pessoas que ganharam nota zero, 26 morreram (21,5%). Já entre os voluntários com nota 10, houve apenas dois óbitos (1,77%).

Clique na imagem abaixo para ampliar o infográfico:

Teste de Sentar e LevantarArte O Dia

De acordo com Cláudio Gil Araújo, diretor da clínica Clinimex, em Copacabana, o TSL avalia flexibilidade, força muscular, peso ideal e equilíbrio, aspectos afetados por enfermidades e sedentarismo. Gil explica que ter dificuldade no teste pode indicar obesidade, excesso de gordura no abdômen, diabetes (afeta a mobilidade das articulações), hipertensão (ligada ao ganho de peso e sedentarismo), além de males mais sérios. “Câncer e problemas neurológicos reduzem a força e isso é detectado no teste”, diz.

Para o médico, um dos benefícios do TSL é a simplicidade. Basta um pequeno espaço para ele ser executado. “Qualquer posto de saúde de qualquer município pode realizar esse teste, que é muito eficiente”, avalia.

O funcionário público Robson Moreira César (foto), 53 anos, fez o TSL e ficou com 9,5. “Me desequilibrei ao sentar, mas estou satistfeito. Ainda pretendo viver muito”, brinca.

Participaram do estudo pesquisadores da clínica Clinimex, das universidades Gama Filho, Federal do Estado do Rio (Unirio) e da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (MG).

Para realizar o teste de forma mais segura, procure um profissional de saúde

Associar o Teste de Sentar e Levantar a índices de mortalidade foi tema do Mestrado em Ciências do Exercício e do Esporte do professor Leonardo Brito, que participou da pesquisa. “Aplicamos o mesmo tratamento estatístico usado para associar tabagismo à morte ou exercício físico à longevidade. É um método tradicional e eficiente”, diz.

O grupo, que realiza estudos a partir do TSL, descobriu, ainda, que além de força, equilíbrio e coordenação motora, para sentar e levantar com facilidade é preciso outro atributo importante:flexibilidade. “Dos mais de 4 mil voluntários analisados, os mais flexíveis obtiveram melhores notas”, aponta.

Mas atenção: mesmo sendo um teste fácil e seguro, o TSL deve ser aplicado apenas por profissionais de saúde. “O autoteste indiscriminado pode gerar quedas ou forçar as articulações”, diz.

Colaborou Flor Castilhos

Você pode gostar