Por paulo.gomes

Riad - O xeque Ali al Hekmi, membro do Conselho dos Grandes Ulemás Sauditas, emitiu uma fatwa (decreto islâmico) que proíbe viagens ao planeta Marte, informou nesta quarta-feira o jornal "Al-Hayat". Al Hekmi criticou o projeto "Mars One", o qual pretende viabilizar viagens para colonizar o planeta vermelho. Apesar de inusitada, a proposta já recebeu mais de 200 mil inscrições de interessados do mundo todo.

Planejamento do projeto 'Mars One' é chegar ao planeta vermelho em 2023Reprodução Internet

De acordo com xeque, "estes experimentos levarão quem deseja promover a destruição" e, por isso, a iniciativa deveria ser feita com animais. Al Hekmi explicou que o Alcorão possui um versículo que diz que o crente "não deve se atirar com suas próprias mãos à perdição" porque, segundo ele, o ser humano não é dono de sua própria vida, já que foi Alá quem a criou.

Segundo o site do "Mars One", 477 cidadãos sauditas já se inscreveram para participar do projeto, dos quais apenas seis foram aceitos. Neste aspecto, o propósito é que se define como uma organização sem fins lucrativos, é criar o primeiro assentamento humano em Marte em 2023.

Você pode gostar