Por joyce.caetano
Jovem descobriu procedência dos fios após procurar ajuda médicaReprodução

Quênia - Uma salão de cabeleireiro no Quênia, na África Oriental, está sendo investigado após implantar em uma cliente um megahair (implante capilar) que seria de cabelos de um cadáver em decomposição. De acordo com Irene Myangoh, que buscava um visual diferente, depois de duas semanas com o novo cabelo, ela começou a sentir fortes dores de cabeça, que quase a deixaram cega.

Preocupada com seu estado de saúde, Irene procurou um médico que concluiu que larvas de vermes "comiam" seu couro cabeludo. De acordo com o diagnóstico, os fios implantados em sua cabeça seriam de um corpo já em avançado estado de decomposição.

Após realizar alguns exames, os médicos observaram que as larvas já chegavam ao crânio da paciente. Segundo especialistas, o cabelo deveria estar contaminado com ovos de vermes, que eclodiram e se desenvolveram na cabeça de Irene.

Procurada para prestar explicações, a dona do salão de cabeleireiro disse não saber da procedência dos fios.

"É a primeira vez que algo assim acontece. Estou em choque", disse.

Irene precisou fazer uso de antibióticos por duas semanas para conter uma infecção.

CK Musau, um cirurgião no hospital de Nairobi, contou ao jornal Daily Mail que atendeu dez casos parecidos nos últimos seis meses.

'É terrível ver como a mentalidade ocidental influencia a mente das jovens quenianas. Elas deveriam focar em sua beleza africana natural, ao invés de tentar parecer o que não são".

Você pode gostar