Por joyce.caetano

Florida - As autoridades da Flórida, nos Estados Unidos, executarão nesta terça-feira com uma injeção letal, Darius Kimbrough, de 40 anos, condenado a morte pelo estupro e por espancar até morte Denise Collins, de 28 anos, em 1991.

Sendo realmente executado, Kimbrough, que tinha 19 anos quando cometeu os crimes, seria o 81º preso na Flórida a ter a pena de morte cumprida desde que a Corte Suprema a restabeleceu em 1976 e o segundo a receber uma injeção letal com um novo tipo de droga.

Na semana passada, um grupo de advogados que representa sete presos condenados à morte apelaram na Corte Federal de Jacksonville, no litoral nordeste da Flórida, para que se impeça o uso do novo fármaco Midazolam. Segundo eles, o medicamento não oferece garantias suficientes para as execuções por injeção letal.

O processo se baseia no fato do novo remédio não ter sido provado nem aprovado cientificamente para este tipo de uso, explicou Carlos Ramos, diretor da organização União Americana de Liberdades Civis da Flórida (ACLUF).

Em 15 de outubro William Happ, de 50 anos, se tornou o primeiro réu a ser executado usando cloridrato de Midazolam como sedativo. Testemunhas da imprensa local que assistiram à execução disseram que durou mais de 15 minutos, muito mais longa do que o habitual.

Segundo especialistas, o cloridrato de Midazolam, utilizado principalmente para tratar a ansiedade, não é um sedativo apropriado para ser incluído dentro do "coquetel mortal" de três fármacos fornecidos para induzir a inconsciência, paralisia e a morte por parada cardíaca.

Kimbrough foi condenado à pena capital em 1994 pela morte de Denise, por estupro e assassinato, depois de invadir a casa dela por uma porta de vidro. Kimbrough foi detido cinco meses mais tarde após estuprar outra mulher, de 22 anos, enquanto ela dormia em seu quarto. A polícia o identificou pelas impressões digitais que deixou em uma janela da casa. No julgamento foi considerado culpado de homicídio em primeiro grau, roubo e estupro, sendo condenado a morte e a prisão perpétua.

Caso Denise Collins

A jovem foi achada em 3 de outubro de 1991 nua, coberta de sangue e praticamente inconsciente no banheiro de seu apartamento no condado de Orange, no centro da Flórida. Levada para o hospital, Denise morreu no dia seguinte em consequência das agressões. Os detetives da polícia encontraram sêmen de Darius Kimbrough nos pelos pubianos e nos lençóis da cama da jovem assassinada, assim como em uma toalha.

Você pode gostar