Por joyce.caetano
Bósnia - Uma cratera que cresce sem parar há duas semanas, e já tem dimensões de 50 metros de largura e 30 de profundidade, engoliu uma lagoa de 20 metros de diâmetro em uma cidade do noroeste da Bósnia. O pequeno lago desapareceu ao longo da noite para o dia em 16 de novembro quando um buraco se abriu e arrastou dois salgueiros de 13 metros de altura e rompeu a principal linha de abastecimento de água da cidade de Sanica, segundo informou um site de notícias locais.

O buraco cresce desde então entre três e quatro metros por dia, enquanto os moradores assustados esperam a chegada de especialistas da Faculdade de Mineração em Tuzla para dar uma explicação sobre o caso. Alguns especialistas consideram que a depressão cresce devido à atividade das águas subterrâneas e as mudanças tectônicas no subsolo, que causam a abertura de crateras na superfície.

Moradores do vilarejo de Sanica%2C na Bósnia%2C estão assustados com o desaparecimento do lagoReprodução Internet

Este é o terceiro buraco de grandes dimensões que surge desde 2008 na cidade, situada em uma região de terreno cárstico e rico em águas. O diretor do Instituto Federal de Geologia, Hazim Hrvatovic, explicou em entrevista à imprensa do país que o desaparecimento da lagoa não é único, embora não seja algo que acontece com frequência.

"Isso é característico de terrenos formados de caliça e gesso e sabe-se que esta área é assim", disse Hrvatovic. Enquanto os cientistas debatem sobre a origem da cratera, entre os moradores de Sanica comentam-se histórias diferentes para explicar o surgimento do fenômeno. Entre as lendas que explicam o buraco, uma delas conta que o homem responsável pela manutenção da lagoa disse pouco antes de morrer, no mês passado, que o lago morreria com ele.
Publicidade
Explicações à parte, a cratera causa sérios problemas aos moradores que vivem nas proximidades, que viram seus porões começarem a inundar e serem invadidos por lama. Além disso, a queda contínua das paredes do buraco já começou a destruir campos adjacentes. Devido à chuva e neve que caíram nos últimos dois dias, o nível de água na cratera cresceu cerca de dois metros e na superfície flutuam peixes mortos.