Pacientes com HIV terão tratamento após diagnóstico

Medida foi anunciada no Dia Mundial de Luta contra a Aids

Por O Dia

Rio - O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou neste domingo, Dia Mundial de Luta contra a Aids, medidas que ampliarão o tratamento a portadores do HIV. Uma das principais é que, a partir de agora, assim que o paciente for diagnosticado com o vírus receberá o tratamento imediato e medicamentos retrovirais através do Sistema Único de Saúde, independente do estágio da doença. Cem mil pessoas serão beneficiadas em 2014 (32% a mais que este ano).

Padilha, apoiado por artistas, entre eles Giovana Lancelotti e Thierry Figueira, lançou, no Parque Madureira, a campanha nacional ‘Para viver melhor, é preciso saber’, que incentiva o diagnóstico rápido. “No Brasil existem mais de 718 mil pessoas com o vírus da Aids, mas 150 mil não sabem que estão infectadas. Hoje o Brasil é o país mais rápido do mundo na detecção da doença, à frente até mesmo dos Estados Unidos”, ressaltou Padilha.

Alexandre Padilha destacou no Rio que início de terapia será imediatoFabio Gonçalves / Agência O Dia

Ele afirmou que o investimento federal no combate à epidemia de Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis chegou a R$ 1,2 bilhão este ano - R$ 770 milhões com custeio de remédios. Os números representam o dobro do que investido há dez anos. Padilha revelou que a Fiocruz está fazendo testes para concentrar três medicamentos em uma pílula só. Rio Grande do Sul e Amazonas serão os primeiros estados beneficiados. No primeiro semestre todos os estados serão contemplados.

Estado ganha posto móvel de testes

Alexandre Padilha entregou a autoridades do estado a primeira Unidade de Testagem Móvel (UTM) do país - um caminhão semelhante a um posto equipado. Todos os estados terão UTMs até o final de 2014. “Com confiabilidade, o teste rápido exige apenas uma gota de sangue e fica pronto em cerca de 30 minutos. Já distribuímos 3,2 milhões de testes este ano pelo SUS, cerca de 600% a mais que em 2005”, disse Alexandre Padilha.

A mortalidade por Aids vem sendo reduzido no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Em 2003 eram 6,4 casos por 100 mil habitantes, caindo para 5,5 por 100 mil habitantes em 2012. No Sudeste, o Rio de janeiro é segundo estado com o maior número de casos: 4.658 e 1.756 óbitos em 2012.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência