Brasileira de 17 anos morre em atentado a bomba no Líbano

Explosão em Beirute também matou a madrasta da jovem e outras três pessoas

Por O Dia

Líbano - Uma brasileira de apenas 17 anos, natural de de Foz do Iguaçu, no Paraná, está entre as cinco vítimas fatais da explosão de um carro-bomba, ontem, em Beirute, capital do Líbano. A madrasta da jovem também morreu, e cerca de 60 outras pessoas ficaram feridas. Malak Zahwe morou em Foz do Iguaçu até os 14 anos. Depois passou a viver com o pai, a madrasta e três irmãos em Beirute.

De acordo com a Agência Nacional de Informação Libanesa, Beirute vem sendo palco de vários ataques a bomba nos últimos meses. O de ontem foi no sul da cidade, reduto do grupo xiita Hezbollah. Testemunhas contaram que Malak e a madrasta foram atingidas pela bomba depois de saírem de um restaurante. Antes, tinham feito compras. As fachadas de diversos prédios foram danificadas.

A bomba explodiu por volta das 16h (horário local), quando as ruas do bairro de Haaret Hreik estavam muito movimentadas. Integrantes do Hezbollah atiraram para o ar, tentando dispersar a multidão, temendo novas explosões.

Semana passada, uma explosão matou o ex-ministro e adversário político do Hezbollah, Mohamad Chatah. Nenhum grupo reivindicou a autoria da explosão de ontem, que ocorreu justamente um dia depois de ter sido preso Majid Almajid, chefe de um grupo jihadista sunita que se responsabilizou por um ataque suicida contra a embaixada iraniana em Beirute, em novembro.

A guerra civil que já se arrasta por três anos na vizinha Síria tem elevado as tensões no Líbano. O Hezbollah enviou combatentes à Síria para lutar ao lado do contestado presidente Bashar al-Assad, integrante da ramificação alauita do islamismo xiita. Já guerrilheiros muçulmanos sunitas se uniram aos rebeldes sírios.

Apelo contra apoio dado aos terroristas

O ministro das Relações Exteriores libanês, Adnan Mansour, apelou ontem por apoio internacional para conter a violência no país e cortar as fontes de financiamento e outros tipos de apoio aos terroristas suicidas. “Todos devem trabalhar para conter as fontes de terrorismo. Caso contrário, esse turbilhão vai engolir a todos. O Líbano está sofrendo, todo mundo está sofrendo”, disse ele à TV Al Arabiya.

A embaixada dos EUA em Beirute condenou o ato “desumano”. O Hezbollah está na lista de organizações “terroristas” de Washington. “Condenamos o atentado terrorista. Nossas condolências às vítimas e às suas famílias”, escreveu a embaixada no Twitter. O embaixador do Reino Unido, Tom Fletcher, também expressou sua “condenação ao ataque desumano.”

Últimas de _legado_Mundo e Ciência