Atriz francesa vai processar revista que revelou suposto caso com Hollande

Julie Gayet perdeu nomeação para instituição cultural feita pelo Ministro da Cultura

Por O Dia

França - A atriz francesa Julie Gayet processará a revista "Closer" por divulgar sua suposta relação com o presidente da França, François Hollande, informou nesta quarta-feira a emissora de rádio "RTL".

A ação anunciada por essa emissora, que não especificou suas fontes, acontece sem que Hollande, de 59 anos, nem Gayet, de 41, tenham confirmado nem desmentido a suposta aventura atribuída a eles.

Em março de 2013, Julie já havia interposto uma denúncia para identificar os autores de um rumor que circulava pela Internet e que dava conta de seu suposto caso com Hollande.

A atriz no Festival de Cannes em maio de 2012Reuters

Desde que a "Closer" publicou a famosa reportagem fotográfica, o chefe do Estado pediu, como cidadão, privacidade para seus assuntos íntimos, mas reconheceu que atravessa "momentos dolorosos" em seus assuntos familiares.

Hollande se limitou a dizer que antes de sua visita aos Estados Unidos em 11 de fevereiro declarará se sua companheira oficial, Valérie Trierweiler, lhe acompanhará como primeira-dama.

Valérie, de 48 anos, está hospitalizada desde sexta-feira passada, seguindo uma indicação de repouso e não se sabe ainda quando terá alta.

Por outro lado, o Ministério de Cultura francês voltou atrás nesta quarta-feira em relação à nomeação para uma missão pública sem remuneração de Julie, que devia fazer parte do júri que elegerá os bolsistas da Villa Medici, uma prestigiada instituição cultural francesa em Roma.

Perguntado sobre o assunto, o ministro de Orçamento, Bernard Cazeneuve, cometeu um ato falho e aprovou o namoro entre o presidente e a atriz.

"Sua companheira tem uma atividade artística", disse ao canal digital "iTélé" o ministro, que rapidamente se corrigiu e acrescentou que Gayet não é a companheira do presidente.

"Não tenho nada a confirmar sobre o tema, nada a dizer, e essa atividade artística acontece há muitos anos", concluiu.


Últimas de _legado_Mundo e Ciência