Por tamara.coimbra
Inglaterra - Uma equipe de cirurgiões da Universidade de Oxford, na Inglaterra, usou uma técnica de tratamento genético para melhorar a visão de seis pacientes que, de outra forma, teriam ficado cegos, segundo um estudo divulgado nesta quinta-feira pela revista "The Lancet". Os especialistas fizeram uma operação nos pacientes afetados com uma rara doença hereditária que causa a morte das células que detectam a luz, conhecida como coroideremia.
A intervenção cirúrgica implicou na inserção de um gene nas células oculares que deu vida as células que detectam a luz, uma técnica que os médicos acreditam que poderia ser usada para tratar formas comuns de cegueira. Robert McLaren, professor de oftalmologia de Oxford e responsável pela pesquisa, admitiu hoje em declaração à emissora britânica "BBC" que se sente "absolutamente entusiasmado" com o resultado dos experimentos.
Publicidade
"Realmente, não poderíamos ter obtido um resultado melhor", disse. Os testes médicos começaram há dois anos e o primeiro paciente foi Jonathan Wyatt, que então tinha 63 anos e sofre da condição genética que deriva na perda progressiva da visão. Após se submeter à operação, sua visão "melhorou".
Outro paciente, Wayne Thompson, declarou à rede de televisão que teve um "efeito imediato". Thompson afirmou que sua "visão da cor melhorou" após passar pelo procedimento e que pela primeira vez desde que tinha 17 anos, quando seu visão começou a se deteriorar, conseguiu ver as estrelas.
Publicidade
Se os pacientes continuarem melhorando, os especialistas pretendem oferecer o tratamento a pessoas mais jovens afetadas com coroideremia, para evitar que percam a visão. Essa condição é relativamente rara e no Reino Unido afeta aproximadamente mil pessoas.
No entanto, McLaren considera que o tratamento genético poderia ser feito para curar outras formas genéticas de cegueira, como a degeneração macular relacionada à idade, que gera uma deterioração na visão em um em cada quatro idosos de 75 anos.