Por daniela.lima

Rio - A população da Tailândia foi às urnas sob forte esquema de segurança neste domingo, em uma eleição que poderá intensificar a turbulência política em um país dividido e deixar o vencedor paralisado durante meses em meio a protestos de rua e complexos desafios legais. 

Neste sábado, sete pessoas ficaram feridas feridas por tiros e explosões durante um confronto entre partidários e opositores da primeira-ministra, Yingluck ShinawatraReuters


Apesar de alguns incidentes, a votação foi relativamente pacífica, um dia depois de sete pessoas ficarem feridas por tiros e explosões durante um confronto entre partidários e opositores da primeira-ministra, Yingluck Shinawatra, em um reduto do seu partido Puea Thai no norte de Bangcoc.

A votação terminou às 15 horas locais, mas nenhum resultado será anunciado neste domingo. Uma nova votação já está marcada para 23 de fevereiro, devido a problemas na votação com antecedência no último domingo. Além disso, a votação em algumas áreas do sul ainda deve levar algumas semanas.

A votação em 13 das 33 seções eleitorais de Bangcoc foi interrompida. Trinta e sete das 56 seções eleitorais no sul, onde a oposição ao governo também é forte, sofreram interrupções. O processo eleitoral no restante do país não foi afetado.

"A situação geral é calma e não recebemos nenhum relato de violência esta manhã", disse o chefe do Conselho de Segurança Nacional Paradorn Pattanatabutr à Reuters. "Os manifestantes estão se reunindo pacificamente para mostrar a sua oposição a esta eleição."

Um funcionário da justiça eleitoral foi morto com três soldados em um ataque a bomba na província de Pattani, mas a polícia afirmou que o incidente está relacionado à insurgência no sul e não às eleições.

Você pode gostar