Conversa vazada com palavrão faz diplomata dos EUA pedir desculpas

Diálogo faz referência a políticos ucranianos de oposição

Por O Dia

Estados Unidos - Uma conversa de telefone aparentemente grampeada entre uma diplomata do primeiro escalão dos EUA sobre a crise política na Ucrânia foi publicada na internet, provocando um pedido de desculpas da americana. A secretária-assistente de Estado Victoria Nuland usa um palavrão para se referir à União Europeia (UE) em uma conversa, supostamente com o embaixador americano na Ucrânia, Geoffrey Pyatt.

O governo americano disse que Nuland pediu desculpas pelo comentário. A UE e os EUA estão há semanas em negociações para resolver uma crise política na Ucrânia. O áudio está em um vídeo de 4 minutos e 10 segundos, com o título "Os Marionetes de Maidan" (em referência à praça ucraniana que tem sido palco de protestos), publicado no YouTube.

Em determinado momento, uma voz feminina, atribuída a Nuland, fala sobre uma proposta da ONU para resolver a crise política. "Então seria ótimo, eu acho, ajudar a costurar essa coisa e ter a ONU ajudando a costurá-la e, você sabe, f***-se a União Europeia (UE)." A voz masculina responde: "Nós temos de fazer algo para que isso se sustente, porque você pode ter certeza de que, se isso não ganhar altitude, os russos estarão trabalhando nos bastidores para atacar [o acordo]."

Presidente da Ucrânia%2C Viktor Yanukovich%2C recebe a secretária-assistente de Estado dos EUA%2C Victoria Nuland%2C em uma reunião em KievReuters


O diálogo faz referência a políticos ucranianos de oposição. A voz feminina diz que Vitaly Klitschko, o ex-campeão mundial de boxe, não deveria estar no governo caso houvesse a formação de um novo gabinete. "Eu não acho que isso seja uma boa ideia", diz. Ela também afirma: "Eu acho que Yats [Arseniy Yatseniuk] é o cara que tem a experiência econômica."

As autoridades americanas não confirmaram ou negaram a autenticidade do áudio, mas a porta-voz do Departamento de Estado, Jan Psaki, afirmou na quinta-feira: "Eu não disse que não era autêntica." Ela afirmou que Nuland "esteve em contato com seus colegas da UE e, claro, pediu desculpas por esses comentários relatados".

Uma autoridade da UE disse à BBC: "A UE está engajada em ajudar o povo da Ucrânia nessa crise política atual. Não fazemos comentários sobre supostas conversas de telefones vazadas." A Ucrânia vive momentos de tensão desde novembro, depois que o governo suspendeu um acordo de aproximação com a UE, dando início a vários protestos de rua.

O país está dividido entre os que querem manter uma forte ligação com a Rússia - como o governo - e os que preferem se integrar à UE.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência