Kerry celebra contatos entre Coreias e pede que Norte não use 'desculpas'

Secretário de Estado americano solicitou que exercícios militares entre EUA e Coreia do Sul não sirvam de desculpa para a Coreia do Norte não cumprir compromissos

Por O Dia

Coreia do Sul - O secretário de Estado americano, John Kerry, celebrou nesta quinta-feira em Seul os contatos entre as duas Coreias para abrir uma etapa de paz e pediu ao regime de Pyongyang que não use os próximos exercícios militares dos EUA e Coreia do Sul como uma "desculpa" para não cumprir seus compromissos.

"O progresso nas relações entre as duas Coreias é crucial" para os EUA e para a estabilidade na Ásia Oriental, afirmou Kerry em relação à recente aproximação que permitiu que o Norte e o Sul convocassem a primeira reunião de famílias separadas pela guerra para entre 20 e 25 deste mês.

O principal responsável da diplomacia americana confirmou, em entrevista coletiva, que Seul e Washington iniciarão suas manobras militares anuais Key Resolve e Foal Eagle como estava previsto para o próximo dia 24, apesar de Pyongyang pedir adiamento da data porque coincide com as reuniões familiares.

"Os exercícios militares vão ser realizados sem mudanças como a cada ano. A Coreia do Norte não pode usá-los como desculpa" para cancelar as reuniões, afirmou Kerry, após deixar clara sua postura de "não vincular assuntos humanitários com temas políticos ou militares".

John Kerry%2C cumprimenta o chanceler da Coreia do Sul%2C Yun Byung-Se%2C antes de se reunirem%2C em SeulReuters

A visita que Kerry iniciou hoje ocorre em plena incerteza na península coreana, após o Norte e Sul não alcançarem na quarta-feira um acordo em sua primeira reunião de alto nível em 7 anos, principalmente pela rejeição norte-coreana às citadas manobras militares dos aliados, que considera "um teste de guerra".

Com isto, os representantes das duas Coreias voltarão a se reunir nesta sexta-feira para tentar acercar posturas quanto aos exercícios militares e a organização do encontro de famílias separadas programado para entre os próximos dias 20 e 25.

Quanto às estagnadas conversas multinacionais sobre o programa atômico norte-coreano, Kerry insistiu que os EUA "não iniciarão um diálogo até a Coreia do Norte demonstrar claramente com ações sua vontade de renunciar às armas nucleares".

Para que isto ocorra, apontou o secretário de Estado americano, "é fundamental o papel da China" por conta dos vínculos políticos, econômicos e históricos com o regime norte-coreano, por isso que voltará a colocar o tema aos seus interlocutores chineses em seu iminente visita a Pequim.

A Coreia do Sul mantém uma forte aliança política e militar com os EUA, que desdobra 28.500 tropas no país perante a possibilidade de um conflito com o Norte como herança da Guerra da Coreia(1950-53), que finalizou com um armistício nunca substituído por um tratado de paz definitivo.

À margem dos assuntos da Coreia do Norte, o secretário de Estado americano pediu que Coreia do Sul e Japão "trabalhem juntos e resolvam suas diferenças históricas" após vários episódios políticos e diplomatas conflituosos nos últimos meses.

John Kerry, que iniciou hoje em Seul sua quinta viagem à região desde que assume o cargo, partirá amanhã a Pequim (China) como parte de uma viagem que também lhe levará a Jacarta (Indonésia) e Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos).


Últimas de _legado_Mundo e Ciência