Ex-líderes latinos querem maconha livre no México

Grupo integrado por FHC pede a prefeito da capital do país aprovação de nova lei

Por O Dia

México - Grupo de quatro ex-presidentes latino-americanos declarou ontem apoio à legalização do uso da maconha na Cidade do México. Em carta enviada ao prefeito da capital mexicana, Miguel Ángel Mancera, eles elogiaram projeto que será apresentado em breve na Assembleia local por parlamentares de esquerda, e mostraram “plena confiança” na aprovação da lei. No mesmo dia, a polícia dos EUA anunciou ter encontrado o mais longo túnel do tráfico de drogas já descoberto entre aquele país e o México, além da apreensão de 290 quilos de maconha.

A carta foi redigida pelos ex-governantes Fernando Henrique Cardoso (Brasil), Ernesto Zedillo (México), Ricardo Lagos (Chile) e César Gaviria (Colômbia). “Quarenta anos de imensos esforços não conseguiram reduzir a produção nem o consumo de drogas ilícitas. No México e na América Central, a violência e a corrupção associadas ao tráfico de drogas representam uma ameaça à segurança e à estabilidade democrática”, escreveram.

A esquerda mexicana — liderada pelo Partido da Revolução Democrática — trabalha há cerca de um ano no projeto para a despenalização da maconha na Cidade do México. A nova legislação deverá aumentar a quantidade da droga permitida para a posse. Atualmente, no México, é liberado portar até cinco gramas de maconha por pessoa. Mais do que isso configura tráfico de drogas. Pelo novo projeto, deverá ser liberado também o uso da maconha com fins científicos e médicos.

O deputado Vidal Lleneras, que participa da elaboração do projeto, disse que o objetivo principal da nova lei seria descriminalizar o consumo de maconha, através de leis locais da cidade, já que o presidente do México, Enrique Peña Nieto, não considera discutir a ideia de forma nacional. “A quantidade (de maconha por portador) tolerada é muito baixa, e há pressão por parte das autoridades para que as pessoas sejam detidas”, explicou Lleneras.

Túnel da droga na fronteira

Agentes da Divisão de Investigações de Segurança Interna da Polícia de Imigração e Alfândega dos EUA encontraram o túnel em Nogales, sul do Arizona. Três homens — dois mexicanos e um americano — foram presos. Houve apreensão de 290 quilos de maconha e 230 gramas de heroína.

O buraco de 145 metros liga dois edifícios, um nos EUA e outro do lado mexicano da fronteira. A passagem, com estrutura de madeira, tem cerca de 60 cm de largura por 90 cm de altura e conta com luz e ventiladores elétricos.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência