Oposição venezuelana vai seguir nas ruas após prisão do líder Leopoldo López

'Povo da Venezuela, movimento estudantil, os convidamos a comparecer nesta quarta-feira no Palácio de Justiça', comunicou o deputado Juan Gaido

Por O Dia

Venezuela - O comparecimento maciço da população na manifestação de terça-feira em Caracas para acompanhar o dirigente opositor Leopoldo López, que se entregou às autoridades, foi comemorado por seu partido, o Vontade Popular, e por outros políticos que anunciaram novas mobilizações populares. A primeira delas será o acompanhamento nesta quarta-feira do líder detido, que será transferido para se apresentar nos tribunais.

"O país está fazendo grandes manifestações e concentrações na rua, como as que tivemos terça-feira, e que continuaremos convocando em toda Venezuela", disse a deputada María Corina Machado em uma entrevista coletiva na qual confirmou seu apoio a López. Acrescentou que "cada vez seremos mais, e cada vez mais organizados".

O líder da oposição Leopoldo López se entrega a polícia em praça de Caracas%2C na Venezuela Efe

O deputado do Vontade Popular Juan Gaido anunciou que nesta quarta-feira será realizada uma mobilização para acompanhar López em sua apresentação nos tribunais, saindo do Palácio da Justiça, enquanto o prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, anunciou que em breve será convocada uma grande manifestação. "Povo da Venezuela, movimento estudantil, os convidamos a comparecer nesta quarta no Palácio de Justiça. Liberdade plena para Leopoldo López", declarou Gaido que garantiu a manutenção de uma "agenda de rua com base na Constituição, pacífica, sem flertar com a violência".

Ledezma comemorou que "apesar de todo o aparato militar e policial presente na cidade de Caracas, a Venezuela saiu às ruas", enquanto María Corina assegurou que 1 milhão de pessoas marcharam em apoio a López somente na capital do país. A Venezuela vive um clima de tensão após vários dias de protestos, depois que distúrbios causaram três mortes e deixaram dezenas de feridos em uma manifestação estudantil na quarta-feira passada.

O dirigente de oposição Leopoldo López, que tinha uma ordem de detenção contra si por causa desses incidentes, se entregou na terça-feira à Guarda Nacional (Polícia Militar) após liderar uma grande manifestação de oposição ao governo de Nicolás Maduro no leste da cidade. O governo responsabiliza López pelos incidentes e culpou os Estados Unidos pela violência em Caracas e em outras cidades nos últimos dias.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência