Por camila.borges

Washington - O presidente americano Barack Obama disse, nesta sexta-feira em entrevista coletiva, que está profundamente preocupado com os movimentos de forças na Crimeia, na Ucrânia, e advertiu à Rússia que qualquer violação de soberania desse país será 'profundamente desestabilizadora'.

Em um discurso extraordinário, o líder disse que uma violação do compromisso russo de respeitar a integridade territorial ucraniana transgrediria a lei internacional.

'Haverá custos em caso de uma intervenção', declarou Obama, que falou depois que Kiev acusou a Rússia de invadir seu espaço aéreo e realizar uma invasão armada. A declaração surpresa do presidente americano só durou três minutos e não foram aceitas perguntas dos jornalistas.

Obama afirmou que se forem confirmadas as informações que aeronaves e tropas russas estão tomando o controle de pontos estratégicos na península da Crimeia, no sul da Ucrânia, isso representaria uma interferência em assuntos que devem ser decididos pelo povo ucraniano.

O presidente reconheceu que a situação continua sendo 'fluente' e em transformação, mas reiterou em várias ocasiões que o povo da Ucrânia é o que tem que decidir sobre seu futuro, depois que os protestos dos opositores causaram a queda do presidente Víkitor Yanukovich.

Você pode gostar