Por clarissa.sardenberg

Chile - A socialista Michelle Bachelet assume nesta terça-feira a Presidência do Chile, em uma mudança de cargo histórica, com a promessa de mudar a cara do país latino-americano. Bachelet, que leva a centro-esquerda de volta ao poder depois do governo do conservador Sebastián Piñera, será a primeira presidenta a assumir um segundo mandato no Chile desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet.

A médica, de 62 anos e mãe de três filhos, vai assumir o governo do maior produtor mundial de cobre das mãos de Piñera, que deixa a Presidência com 50 por cento de aprovação.

"Há quatro anos iniciamos um grande projeto, uma grande aventura no bom sentido da palavra, e hoje os sentimentos que tenho são, por uma parte de alegria, porque acredito que hoje o Chile é um país muito melhor... e isso as pessoas sabem", disse Piñera nas últimas horas como presidente.

Socialista Michelle Bachelet assume a Presidência do Chile em uma mudança de cargo históricaEFE

A presidenta Dilma Rousseff, que participa da cerimônia na sede do Congresso do Chile, na cidade de Valparaíso, afirmou que Brasil e Chile irão aprofundar ainda mais as relações com o retorno de Bachelet à Presidência.

"A presidenta Michelle Bachelet é amiga e parceira do Brasil", disse Dilma no Twitter. Segundo a presidente, o Chile é o terceiro parceiro comercial do Brasil na América Latina, atrás somente da Argentina e do México, e o Brasil é o principal destino dos investimentos externos chilenos, com cerca de 22 bilhões de dólares.

Bachelet governou entre 2006 e 2010. A presidente eleita prometeu aumentar os impostos no setor empresarial para financiar uma reforma educacional e tenta mudar a Constituição herdada da ditadura, com melhorias à saúde, entre outros desafios.

Bachelet tem pela frente uma agenda apertada que inclui um pacote de 50 medidas que prometeu lançar nos primeiros 100 dias de governo.

Você pode gostar