Por julia.sorella

Copenhague - O zoológico de Copenhague sacrificou na segunda-feira, quatro leões para dar lugar a um novo macho, informou o órgão nesta terça-feira, semanas depois da polêmica causada pelo sacrifício público da girafa Marius, que teve repercussão internacional.

O centro recebeu na segunda um leão de três anos de outro zoológico dinamarquês que, com duas leoas jovens, formará a nova população da espécie no zoo. A direção do zoológico argumentou sua decisão com o risco de endogamia (cruzamentos dentro da mesma família) e a idade avançada de dois dos felinos, enquanto os outros dois, que tentou transferir sem sucesso para outros centros, seriam jovens demais para sobreviver ao novo macho que chegou.

Um pedaço da carcaça da girafa%2C sacrificada no mês passado%2C foi usado como alimento para outros animaisReuters

"Acho que o caso de Marius deixou mais pessoas bem informadas. Não nos assusta o que aconteceu, porque o que fazemos é o mais apropriado do ponto de vista profissional", declarou à agência "Ritzau" o diretor do centro, Steffen Straede.

O sacrifício de Marius, no mês passado, gerou protestos em nível internacional, dos quais a instituição dinamarquesa se defendeu insistindo que se trata de uma prática habitual, motivada por razões genéticas. Os leões não foram mortos em público nem dissecados, (morreram após uma injeção letal), e a possibilidade de o sacrifício provocar reação semelhante não assusta o zoológico de Copenhague. "Estamos preparados como costumamos fazer: contamos abertamente e com honestidade o que fazemos e o que defendemos. Não nos escondemos em nenhum buraco", disse Straede.

Você pode gostar