HPV: estudo mostra que vacina acaba ‘esquecida’

Nos EUA, só um terço das meninas toma três doses. No Rio, 53% já foram aos postos

Por O Dia

Rio - Apenas um terço das adolescentes norte-americanas recebeu imunização completa (três doses) contra o vírus HPV, segundo estudo apresentado na Associação Americana de Pesquisa do Câncer. Segundo a análise, 70% das pesquisadas não tinham certeza sobre a eficácia da vacina na prevenção do câncer de colo do útero. No município do Rio, o alcance da atual campanha de vacinação é positivo: em 15 dias, 53% das meninas cariocas de 11 a 13 anos receberam uma dose. A meta é chegar aos 80%.

O estudo americano serve de alerta para o Brasil, que também optou pela prevenção em três fases (a segunda dose seis meses após a primeira, e a terceira, cinco anos depois). No Rio, a Secretaria Municipal de Saúde afirma estar ciente. “As jovens são orientadas a retornar para receberem as doses posteriores. Vamos intensificar esse contato por meio de materiais informativos e da própria mídia”, explica a a coordenadora de imunizações da prefeitura, Nadja Greffe.

A meta do município é vacinar 113 mil meninas de 11 a 13 anos. Até agora, quase 75 mil já foram imunizadas. Segundo Nadja, o número está dentro das expectativas. “É um resultado satisfatório. Se continuarmos nesse ritmo, certamente vamos alcançar a meta” , garante ela.

No Estado do Rio, já foram aplicadas 137 mil primeiras doses da vacina, 164 segundas doses e 128 terceiras doses, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. As jovens que iniciaram a vacinação na rede particular podem tomar as próximas doses na rede pública. A campanha continua até dia 10 nas escolas participantes e em todas as unidades de Atenção Primária. Depois, a vacinação se mantêm em mais de 200 salas nas Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde.

“A vacina HPV é muito segura. Há ocorrência de eventos adversos leves, como dor no local da aplicação, inchaço e eritema. Em casos raros, pode ocasionar dor de cabeça e febre”, diz o pediatra e homeopata Moises Chencinski. Segundo ele, a vacina protege contra dois tipos oncogênicos (causadores de câncer) de HPV, responsáveis por cerca de 70% dos casos de tumor do colo de útero.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência