Por clarissa.sardenberg

Ucrânia - O presidente interino da Ucrânia, Alexander Turchinov, prometeu nesta quinta-feira não perseguir judicialmente os ativistas pró-Moscou que entregarem suas armas e deixarem os edifícios administrativos que ocupam em várias cidades do leste do país. "Garantimos que não haverá perseguição judicial contra os que entregarem as armas e abandonarem os edifícios", disse Turchinov em um discurso na Rada Suprema (Parlamento) da Ucrânia.

O presidente interino acrescentou que está disposto a assinar um decreto sobre o assunto. "Se as pessoas entregarem as armas e desocuparem os edifícios administrativos não há necessidade de uma lei de anistia", ressaltou.

Pró-russos construíram barricada em frente à sede do Serviço de Segurança em LuganskReuters

Turchinov respondeu assim à exigência do grupo parlamentar do Partido das Regiões (PR), que quer aprovar uma anistia para os participantes dos protestos no sudeste do país, cuja maioria da população é falante de russo.

Os deputados do PR ameaçaram boicotar a sessão parlamentar se sua reivindicação não for atendida. Os pró-russos ocupam desde o último domingo as sedes do governo regional de Donetsk e do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) na cidade de Lugansk.

O ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, declarou nesta quarta que as autoridades estabeleceram como prazo até sexta-feira, para solucionar o conflito em Donetsk e Lugansk. Segundo Avakov, se as negociações para normalizar a situação não tiverem sucesso, o governo vai recorrer à força policial para restabelecer a ordem.

Você pode gostar