Quanto menos estudo, mais quilos na balança

Evento no Rio vai discutir crescimento da obesidade entre a classe C brasileira

Por O Dia

Rio - Mais da metade da população brasileira (54%) está acima do peso. O alerta é maior ainda entre a classe C, e pessoas com menos anos de estudo. Isso porque sedentarismo e pouca ingestão de alimentos saudáveis são mais frequentes neste perfil. O assunto é um dos temas do 1º Fórum Médico Franco-Brasileiro da Fondation de l’Academie de Médecine, que acontece nesta quinta e dia 25, no Centro.

Estudos apontam que, entre brasileiros com maior renda, 26,3% fazem atividade física. Já entre os que ganham menos, o índice é de 2%. Além disso, de acordo com a última pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), do Ministério da Saúde, frutas e verduras estão presentes no cardápio de 45% das pessoas com, pelo menos, 12 anos de estudo. O percentual cai para 29% entre os que estudaram até, no máximo, oito anos.

Maus hábitos alimentares causam obesidade%2C hipertensão e diabetesReprodução

Walmir Coutinho, endocrinologista do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia do Rio de Janeiro, ressalta que alimentos mais baratos são, normalmente, os mais calóricos e repletos de gordura. “É mais barato comprar um biscoito do que uma fruta. Isso é um perigo”.

O médico afirma ainda que, entre as crianças, a preocupação é maior, pois, engordando nesta fase, há maior dificuldade de controlar peso no futuro. Os principais efeitos do sobrepeso são hipertensão, diabetes e problemas nas articulações. “Quem está com IMC acima do normal, deve mudar a alimentação, fazer exercícios e procurar um médico”, aponta.

Metade não sabe que tem

A Sociedade Brasileira de Hipertensão vai lançar a campanha de conscientização ‘Conheça sua pressão arterial’, no próximo sábado. A organização fará mutirões de exames gratuitos (aferição de pressão e cálculo do Índice de Massa Corporal), aulas de atividades físicas e dicas nutricionais.

A mobilização vai esclarecer dúvidas mais frequentes e divulgar informações sobre o problema. “Estima-se que 50% das pessoas com pressão alta não sabem disso e, dos que sabem, apenas 25% aderem ao tratamento”, explicou Frida Plavnik, diretora científica da Sociedade e coordenadora da campanha. O evento acontece durante Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão, na Policlínica Piquet Carneiro, da UERJ, na Avenida Marechal Rondon, 381 - Maracanã, de 9h a 17h.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência