Saldo de mortos em naufrágio de balsa da Coreia do Sul passa de 100

Mergulhadores lutam contra o tempo para chegar a restaurante da embarcação submersa, onde podem estar várias das 198 pessoas que continuam desaparecidas

Por O Dia

Coreia do Sul - Mais de 100 corpos já foram retirados da balsa que naufragou com 476 pessoas a bordo na semana passada, a maioria estudantes, na Coreia do Sul, informou o governo nesta terça-feira. Autoridades já confirmaram até agora a morte de 104 pessoas, enquanto outras 198 permanecem desaparecidas, possivelmente presas no interior da embarcação.

A balsa adernou e afundou em menos de duas horas, mas os motivos do naufrágio ainda não são conhecidos. Sete membros da tripulação foram detidos. Eles são acusados de ter demorado para evacuar o navio.

Naufrágio na Coreia do Sul deixa mortos e cerca de 198 desaparecidos Foto%3A Reuters

Segundo relatos, passageiros foram informados de que deveriam permanecer em seus quartos em meio à confusão na cabine de comando sobre a ordem de abandonar a embarcação. Na segunda-feira, a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, comparou a conduta de alguns membros da tripulação com a de "um assassinato".

Robô de prontidão

Até a semana passada, 174 passageiros tinham sido resgatados com vida da balsa Sewol, que virou enquanto navegava de Incheon, no noroeste do país, rumo a ilha de Jeju, um popular destino turístico sul-coreano. Havia a bordo 476 passageiros, incluindo 339 crianças e professores em uma viagem escolar. Muitos teriam ficado presos no interior da embarcação enquanto ela adernava e afundava.

Mergulhadores militares vêm liderando as operações de busca e resgate. Eles já conseguiram alcançar muitas das cabines da embarcação, mas lutam contra o tempo para chegar ao restaurante da balsa, onde acreditam que muitas pessoas teriam ficado presas.

Um robô submarino também foi acionado no porto na manhã desta terça-feira e deverá ser usado na operação de retirada da balsa. Autoridades sul-coreanas afirmaram que vão continuar a buscar sobreviventes com a ajuda dos mergulhadores pelos próximos dois dias, quando então devem dar início à remoção dos destroços do navio naufragado.

Pessoas sendo resgatadas no naufrágio da Coreia do SulFoto%3A Reuters

A operação já foi discutida e tem o apoio dos familiares das vítimas. As investigações estão agora concentradas em descobrir por que a balsa fez uma curva acentuada – o que a teria desestabilizado – antes de começar a adernar. Além disso, as autoridades querem saber se uma ordem de evacuação antecipada poderia ter salvado vidas.

O capitão da embarcação, Lee Joon-seok, não estava no comando quando a balsa começou a naufragar. Um terceiro oficial que nunca havia navegado naquela região conduzia o leme quando o acidente ocorreu, afirmaram as autoridades.

O capitão e outros dois membros da tripulação foram acusados de negligência e violação de lei marítima. Quatro outros integrantes da equipe a bordo foram detidos na segunda-feira.

Empresa responsável por balsa naufragada pede perdão aos parentes das vítimas

A companhia sul-coreana que operava a embarcação Sewol, que já soma 105 mortos e 198 desaparecidos desde o seu naufrágio no último dia 16, fechou seu site nesta terça-feira e publicou em seu lugar um comunicado pedindo perdão às vítimas e seus familiares.

"Pedimos perdão às famílias das vítimas", expõe o comunicado da Cheonghaejin Marine, após afirmar que os responsáveis pela embarcação "rezam pelas vítimas do Sewol que perderam suas preciosas vidas no acidente".

A companhia também deseja uma rápida recuperação dos feridos e prometeu "fazer o possível para que se resgate rapidamente" as 198 pessoas que continuam desaparecidas, a maioria jovens de 16 e 17 anos, mesmo que as possibilidades de encontrar sobreviventes estejam praticamente esgotadas.

A Cheonghaejin Marine, que será inspecionada minuciosamente na investigação das causas do acidente, se tornou alvo de muitas críticas depois da divulgação que algumas de suas embarcações sofreram avarias e, inclusive, estiveram envolvidas em uma colisão, sem consequências graves, nos últimos meses.

Além disso, foi revelado nesta terça que as autoridades financeiras da Coreia do Sul começaram a investigar a operadora da balsa por possíveis crimes financeiros, como a transação ilegal de divisas e outras atividades ilegais na aquisição de ativos do exterior.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência