Por clarissa.sardenberg

Estados Unidos - Os atores Benicio del Toro, Daniel Craig, Steve Carell, Seth Meyers e Dulé Hill se transformaram nesta terça-feira nos rostos masculinos com que a Casa Branca pretende mudar a forma com que os Estados Unidos enfrentam os abusos sexuais, ao pedir em um vídeo aos homens do país que sejam "parte da solução".

O vice-presidente de Estados Unidos, Joe Biden, apresentou em um ato na Casa Branca o anúncio que será divulgado a partir de maio nos cinemas de todo o país como parte de uma campanha para "encorajar os homens a dizer algo e interferir se virem alguém sofrendo um abuso sexual", informou a residência presidencial em comunicado.

Ator britânico Daniel Craig Reprodução Internet

"Se ela não consente (o ato sexual), ou não pode consentir, é um estupro, é um abuso", diz Del Toro no vídeo de um minuto publicado no YouTube. E Carell completa: "É um crime, e é ruim". Del Toro assegura então que, se visse algum abuso sexual sendo praticado, "diria algo".

Já o britânico Daniel Craig, famoso por viver James Bond nos últimos filmes da saga 007, acrescenta que, se presenciasse algo assim, "não culparia ela, mas a ajudaria". "Depende de todos nós darmos fim ao abuso sexual. E isso começa com o senhor", diz o presidente americano, Barack Obama, no fim do vídeo em que também aparece seu vice.

O anúncio faz parte da campanha "1 is 2 Many" ("Uma (vítima) são muitas"), que procura conscientizar sobre um problema que faz com que uma a cada cinco jovens universitárias sofra abusos sexuais ao longo de seus anos de estudos, ou que uma a cada nove adolescentes do país seja estuprada.

"A mensagem é clara e simples: todo mundo tem uma responsabilidade. Não há exceções; não há desculpas. Por favor, vejam este vídeo e divulguem", disse Craig em comunicado. Para Del Toro, a campanha consiste em "proteger e respeitar nossos seres queridos: nossas mães, irmãs, filhas, esposas e namoradas".

A Casa Branca criou em janeiro um grupo de trabalho para proteger as estudantes das agressões sexuais. Hoje, esse coletivo apresentou um conjunto de recomendações dirigidas a combater o problema nas universidades e um site, notalone.gov, para dar apoio às vítimas e informação aos estudantes. "As universidades não podem continuar fechando os olhos ou fingindo que os estupros e os abusos sexuais não existem nos campi", declarou Biden no ato na Casa Branca.

Você pode gostar