Por tamara.coimbra

Bélgica - Três pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida neste sábado em um tiroteio ocorrido nas proximidades do Museu Judeu da Bélgica, em Bruxelas, confirmaram à Agência Efe fontes da polícia da capital.

A ministra do Interior belga, Joëlle Milquet, que estava no local do tiroteio, nos arredores da popular praça de Sablon, afirmou que "tudo aponta para um atentado antissemita", informou o jornal "La Libre Belgique".

O jornal declarou que o suposto autor dos disparos é um homem que viajava em um carro da marca Audi, que tinha estacionado seu veículo em fila dupla na entrada do Museu Judeu, e descido junto com outro passageiro.

Policiais fazem a perícia no local do tiroteio no centro de BruxelasReuters

Após disparar contra as pessoas que se encontravam no local, voltou ao carro e fugiu, segundo esse jornal. O responsável da polícia de Bruxelas-Ixelles, Guido van Wymersch, declarou ao mesmo jornal que os mortos são duas mulheres e um homem.

Os serviços de emergência prestaram atendimento a cerca de uma dúzia de pessoas que estavam no local no momento do tiroteio. Por enquanto se desconhecem mais detalhes do incidente, que foi condenado pelo primeiro-ministro belga, Elio di Rupo, e diferentes membros de seu governo.

"Muito consternado pelos eventos em Bruxelas. Minhas sinceras condolências e todo meu apoio às famílias das vítimas e a seus próximos", escreveu Di Rupo no Twitter.

Por sua parte, o ministro das Relações Exteriores, Didier Reynder, que estava perto do local quando ocorreu o tiroteio, declarou também em sua conta no Twitter que está "comovido" pelas mortes ocorridas e que seus pensamentos estão com as vítimas e suas famílias.

Neste domingo, a Bélgica realiza eleições legislativas, regionais e europeias.

Você pode gostar