Cientistas descobrem pílula que apaga lembranças ruins

Remédio é uma esperança para pacientes com estresse pós-traumático e fobias

Por O Dia

Rio - Humilhações, perdas e traumas podem ser eliminados da memória através de um remédio. De acordo com pesquisa da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, substância chamada fingolimod, já usada para tratamento da esclerose múltipla, teria o poder de ‘apagar’ lembranças de sofrimentos físicos ou psicológicos.

Os pesquisadores usaram ratos para testar a capacidade da medicação. Todos os camundongos entravam numa câmara e levavam choques leves. Depois, um grupo de cobaias tomava o medicamento e outro, não. Apesar de mostrarem indícios de ansiedade e dor, próprios da experiência, os animais que tomaram a droga ‘perderam’ a capacidade de associar a lembrança do choque à entrada na gaiola. Ou seja: não ficavam com medo de entrar de novo na câmara, porque haviam esquecido o que ocorrera ali.

A descoberta significa esperança para pessoas que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), transtornos alimentares, fobias e problemas sexuais. Pacientes com TEPT revivem constantemente os traumas através de flashbacks ou pesadelos, e evitam qualquer situação que suscite lembranças.

“A fingolimod conquista importante papel como uma terapia auxiliar para o transtorno de estresse pós-traumático e outros transtornos de ansiedade”, disse Sarah Spiegel, cientista envolvido na pesquisa.

Há tempos, estudos buscam uma forma de afastar lembranças tristes e tratar seus efeitos colaterais. Anos atrás, a enzima HDAC parecia ser uma saída encontrada, porém experimentos comprovaram que, apesar de apagar certas memórias, outras foram ampliadas.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência