Tribunal iraniano intima fundador do Facebook por 'violação de intimidade'

Diretor afirmou que presidente 'sionista' deverá comparecer à corte, em referência à origem judaica de Zuckerberg

Por O Dia

Irã - Um tribunal da Província de Fars, no Irã, emitiu uma intimação contra Marck Zuckerberg, fundador do Facebook, relacionada ao crime de violação de intimidade, informou nesta terça-feira a agência iraniana Isna. De acordo com a fonte, Zuckerberg foi intimado a declarar no curso de uma investigação sobre várias denúncias de iranianos por violações de seu direito à privacidade.

Embora o Facebook seja bloqueado no país, milhões de iranianos possuem perfil nesta rede social. No entanto, para justiça da república islãmica, a queixa não se relaciona com a rede social, mas sim com os aplicativos Whatsapp e Instagram, ambos de propriedade do Facebook.

Ruhollah Momem Nasab, diretor-adjunto da divisão da internet do Ministério de Cultura e Orientação Islâmica do Irã, assegurou à agência citada que Zuckerberg terá que se defender da acusação de que os aplicativos violaram a privacidade de vários denunciantes.

Mark Zuckerberg%2C criador do FacebookReprodução Internet

"Com base nas ordens do juiz, o presidente sionista do Facebook (em referência à origem judaica de Zuckerberg) ou seu advogado deverá comparecer perante a corte para se defender ou compensar pelos danos causados. Esta é a prática comum no mundo todo", assinalou.

De acordo com Nasab, além de intimar o fundador do Facebook, o tribunal de "Fars" também ordenou a proibição dos dois aplicativos, que, em breve, deverão ser bloqueados. Na última semana, a justiça iraniana já havia ordenado a proibição do Instagram pela suposta violação da privacidade que representa.

A decisão, que também não foi imposta até o momento, foi recebida com duras críticas pelos internautas iranianos, que passaram a usar a hashtag #IranNetFreedom para exigir mais liberdade na rede da república islâmica. No mês de abril, o Grupo de Trabalho de Determinação do Conteúdo Criminal Online ordenou o bloqueio do aplicativo Whatsapp por sua relação com o Facebook, rede social que foi proibida no Irã após os protestos populares contra a polêmica reeleição de Mahmoud Ahmadinejad em 2009.

No entanto, o presidente iraniano, Hassan Rohani, que se mostra partidário de uma maior liberdade na Internet, cancelou a decisão do grupo de controle no início deste mês e liberou o acesso ao Whatsapp.

O Irã impede o acesso a dezenas de aplicativos e a cerca de 5 milhões de páginas na internet, embora muitos iranianos consigam burlar essa limitação com programas antifiltros, VPN e navegadores seguros que fornecem um novo endereço de IP. Vários membros do governo de Rohani, como o titular das Relações Exteriores, Mohamad Yavad Zarif, e o ministro da Cultura, Ali Yanat, transgridem os desejos dos mais conservadores e mantém contas no Facebook ou Twitter.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência