Por clarissa.sardenberg

Tailândia - Mais de 30 milhões de contas de Facebook foram bloqueadas nesta quarta-feira na Tailândia, quase uma semana depois dos militares darem um golpe de Estado e censurarem os meios de comunicação. Os usuários começaram a ter problemas para se conectar com seus computadores e telefones celulares à rede social a partir das 15h locais (5h de Brasília), informou o jornal Bangcoc Post.

As redes sociais, incluídas o Facebook e o Twitter, tornaram-se os últimos focos da liberdade de expressão dos críticos, que também realizaram protestos nas ruas de Bangcoc.

Usuários começaram a ter problemas para conectar seus computadores e celulares ao Facebook Reuters

Até o momento, a junta militar bloqueou 219 portais de internet ao alegar que significam uma ameaça para a "segurança nacional". O exército anunciou que pedirá para as redes sociais e aplicativos de conversa instantânea, como o Line, colaboração para eliminar as contas dos usuários que divulgarem "conteúdo ilegal", segundo o portal Prachatai.

O secretário permanente do Ministério de Informação e Tecnologia de Comunicação, Surachai Srisakam, disse na terça-feira que está sendo elaborado um plano para que a vigilância da internet seja mais eficiente. As pessoas que divulgarem "informação ilegal" serão detidas pelas autoridades militares e julgados.

Golpe de Estado

O chefe do exército da Tailândia, o general Prayuth Chan-ocha, assumiu na última quinta-feira o controle do país após considerar fracassados as tentativas do Executivo interino e dos oposicionistas de alcançar um acordo após sete meses de protestos populares. Nas horas seguintes ao golpe, o militar decretou o toque de recolher, proibiu as reuniões públicas e suspendeu a Constituição, além de aplicar a censura aos meios de comunicação. Desde o fim da monarquia absolutista em 1932, o país viveu 19 golpes militares, dos quais 12 tiveram êxito.

Você pode gostar