Por bferreira

Rio - Cientistas britânicos anunciaram estar desenvolvendo uma vacina contra o Mal de Alzheimer, doença que afeta cerca de 45 milhões de pessoas no mundo. O novo remédio deverá ser destinado a adultos com idades entre 40 e 50 anos, sem sinais da doença, como forma de prevenção.

A descoberta pode significar a diminuição dos casos da deficiência, que destrói neurônios causando a perda progressiva da memória. Segundo o professor de Neuropatologia da Universidade de Southampton, no Reino Unido, James Nicoll, a vacina é feita a partir de proteína chamada beta-amiloide, encontrada no cérebro de portadores da doença, o induziria o sistema imunólogico a produzir defesas.

O pesquisador afirmou que ainda não há como prever os efeitos da vacinação. É possível que o acúmulo de beta-amiloide cause reações. “Podemos vacinar antes que os sintomas apareçam? Para mim, essa é a pergunta mais interessante e emocionante”, disse o professor em entrevista ao jornal ‘The Telegraph’.

Testes para provar a teoria estão sendo feitos pela Universidade da Columbia, nos EUA, com famílias britânicas geneticamente predispostas a desenvolver o mal. Mas ainda são necessárias décadas para que a eficácia da vacina realmente se comprove.

Em outro estudo, o professor de Psiquiatria Biológica Clive Holmes alertou que a doença pode ser causada e agravada por infecções, como a da gripe. Ele explicou que a apatia percebida entre os pacientes com Alzheimer está ligada ao mesmo mecanismo do cérebro que faz com que as pessoas se sintam apáticas e anti-sociais quando estão lutando contra uma infecção.

Você pode gostar