Votação para escolha do presidente começa tranquila na Colômbia

“Não gosto de nenhum dos dois que estão aí”, diz eleitor

Por O Dia

Brasília - A Colômbia promove neste domingo o segundo turno das eleições presidenciais. A disputa é entre o presidente Juan Manuel Santos, candidato à reeleição - que aposta na continuidade do processo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), e o opositor Óscar Zuluaga, do Centro Democrático, que agrada mais aos conservadores e promove o retorno da influência do ex-presidente Álvaro Uribe.

As sessões eleitorais foram abertas às 8h (10h no horário de Brasília). Foi constatado pouco movimento no começo da manhã, depois da comemoração no último sábado da vitória na estreia da seleção colombiana na Copa do Mundo. A festa foi até o começo da noite, pois a lei seca, que entraria em vigor durante a partida de futebol, às 12h, só começou a vigorar às 18h.

Na saída dos locais de votação, eleitores evitaram comentar em quem tinham votado. “O voto é secreto”, diziam. Somente um eleitor disse que votaria em branco. “Não gosto de nenhum dos dois que estão aí”.

A campanha de Santos ganhou adesões importantes essa semana, como a da ex-senadora e ex-refém das Farc, Ingrid Betancurt. Ela acha que quem sofre com guerra deve votar em Santos.

Do mesmo modo, o vereador Roberto Sáenz, irmão do ex-líder das Farc, Guillermo Alfonso Cano, abatido pelo Exército durante o governo de Santos, em novembro de 2011, aderiu a campanha de reeleição do presidente.

"Temos que superar a guerra e o perdão deve fazer parte do processo. Nós temos diferenças, mas eu acompanho [o presidente], de todo o coração (...) Apesar de não conseguir esquecer isso, eu o perdôo por ter matado meu irmão", disse Sáenz, durante um evento indígena e ambientalista em apoio à reeleição.

Mas a campanha de Óscar Zuluaga mantém adeptos fieis e a uma grande mobilização contrária à gestão de Juan Manuel Santos. Ontem foi realizada uma caravana em Bogotá e nas redes sociais. Defensores da candidatura do opositor, criticam a propaganda feita pelo governo em torno da paz.

"As Farc estão mentindo, já vimos isso", diz um internauta em um comentário. Outro diz: "Eu não vou votar em Santos, porque ele é incompetente". O candidato Zuluaga recebeu um atestado médico na última quarta-feira, com diagnóstico de laringite. Ele não teve atividades de campanha nos últimos três dias, e só voltaria a falar hoje.

O ex-senador Álvaro Uribe se manteve bastante ativo em suas bases eleitorais e nas redes sociais. Agora, ele denuncia a possibilidade de fraude eleitoral. A missão observadora da Organização dos Estados Americanos (OEA) acompanha a eleição e, na última sexta-feira, disse "que não estava preocupada" com as eleições no país. "Vimos um processo democrático e seguro", afirmou um comunicado da missão.

A votação acontece em clima de paz, com o cessar fogo anunciado pelas Farc na semana passada, repetindo a iniciativa do primeiro turno. A segurança, segundo o governo, é garantida por 246 mil policiais e militares. O resultado deve ser divulgado no começo da noite de hoje, em Bogotá.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência