Jornalistas da Al Jazeera são condenados à prisão no Egito

Penas variam entre sete e 10 anos

Por O Dia

Egito - Um juiz egípcio sentenciou nesta segunda-feira três jornalistas da TV Al Jazeera a sete anos de prisão depois de considerá-los culpados de vários delitos, incluindo ajuda a uma "organização terrorista" por publicarem mentiras. Outros 11 réus foram condenados à revelia a 10 anos de prisão.

Os jornalistas são o australiano Peter Greste, correspondente da Al Jazeera no Quênia, o egípcio-canadense Mohamed Fahmy, chefe do escritório da Al Jazeera em inglês, e o produtor egípcio Baher Mohamed, que recebeu três anos a mais de prisão por uma acusação em separado, envolvendo posse de armas.

A sentença foi anunciada duas semanas após a eleição presidencial de Abdul Fatah al-Sissi, com 96,9% dos votos, enquanto o país passa por uma violenta repressão dos manifestantes pró-Morsi.

Jornalistas da Al-Jazeera Peter Greste, Mohamed Fahmy e Baher Mohamed durante julgamento no CairoReuters


Últimas de _legado_Mundo e Ciência