Por clarissa.sardenberg

Ucrânia - Uma família britânica escapou do que veio a ser uma fatídica tragédia ao não conseguir embarcar no avião malaio que caiu na Ucrânia, o qual já estaria no limite de sua capacidade, informou a emissora BBC. Barry e Izzy Siim, além do bebê do casal, tentaram embarcar nesta quinta-feira no voo MH17 da Malaysia Airlines, que fazia a rota Amsterdã-Kuala Lumpur. No entanto, por causa da falta de assentos, a família foi obrigada a reservar outro voo e, desta vez, pela companhia aérea KLM. O voo da companhia aérea malaia, que levava 298 pessoas a bordo, caiu na região ucraniana de Donetsk. Aparentemente, a aeronave pode ter sido derrubada por um míssil, hipótese que veio a ser confirmada pelas autoridades dos Estados Unidos.

Barry e Izzy Sim, com o bebê, se emocionaram por não terem embarcado no voo que caiu sobre a UcrâniaReprodução Internet

"Você fica com uma sensação de mal-estar na boca do estômago. Começa a sentir palpitações", relatou Barry Siim ao tentar explicar o que sentia ao descobrir a tragédia ainda no terminal do aeroporto de Schiphol, em Amsterdã.

A britânica admitiu que é preciso ter uma atitude "filosófica" e seguir uma vida normal, embora Izzy tenha se mostrado convencida de que alguém "estava olhando" por sua família e lhes dizia: "Não subam neste avião". "Somos muito fiéis a Malaysia Airlines e sempre queremos voar com Malaysia Airlines", acrescentou Izzy com seu bebê nos braços.


Você pode gostar