Por leonardo.rocha

China - Pelo menos 350 pessoas morreram, 1,4 mil ficaram feridas e duas estão desaparecidas após um terremoto de 6,5 graus na escala Richter neste domingo na província de Yunnan, no sudoeste da China. O Centro Sismológico da China informou que o terremoto aconteceuàs 16h30 (05h30 em Brasília), com epicentro a 27,1 graus de latitudenorte em Yunnan.

Equipes de resgate carregam criança ferida em terremoto em Zhaotong%2C na China%2C neste domingoReprodução

A agência oficial "Xinhua" confirmou que as vítimas são docondado de Qiaojie, da cidade de Zhaotong, que foi gravemente afetada pelo tremor. O terremoto derrubou e causou dano a muitos edifícios, em particular nas construções mais antigas e residenciais.

Oficiais de polícia e paramilitares já se deslocaram para a região, e começaram a montar duas mil barracas, levando três mil camas e três mil cobertores à região. A administração provincial de Yunnan enviou uma equipe de emergência de 30 pessoas ao epicentro do terremoto para avaliar asituação. Segundo o jornal "South China Morning Post", o tremor pôde ser sentido em cidades próximas, como a capital provincial, Kunming, além de em Chongqing, Leshan e Chengdu, na província vizinha de Sichuan.

Alguns moradores já publicaram imagens das consequências do terremoto, em que é possível ver janelas e portas rotas ou paredes danificadas. "Senti uma forte sacudida em meu apartamento, no quinto andar, e alguns objetos pequenos começaram a cair das estantes", contou um morador de Ludian à "Xinhua".

As pessoas saíram correndo de suas casas para a rua, e os serviços de luz e comunicações foram afetados. Este tremor aconteceu poucas horas depois de outro atingir a região ocidental do Tibete, às 14h (3h em Brasília), mas sem vítimas.

Zhaotong está a 300 quilômetros de Kunming, a capital provincial, onde em setembro de 2012 um terremoto de 5,7 graus deixou mais de 80 mortos e feriu mais de 800 pessoas. O sudoeste da China é uma zona de frequente atividade sísmica e, nesta época do ano, também sofre com intensas chuvas, como as quemês passado causaram sérias inundações e deslizamentos de terra.

PRESSA NO RESGATE

Voluntário no socorro às vítimas, o estudante universitário Mao Hao contou que conseguiu ajudar mais de 40 pessoas a sair das casas destruídas. “Sinceramente, não temos tempo para nos preocupar com os corpos. Necessitamos dar toda a atenção para as pessoas que estão vivas”, alertou ele.

Uma moradora de Ludian disse que sentiu uma forte sacudida em seu apartamento, no quinto andar, e que nesse momento alguns objetos pequenos começaram a cair das estantes. A maioria das pessoas saiu de suas casas correndo em direção à rua, lembrou ela, enquanto outra testemunha contou que sentiu como se “estivesse em um navio” durante o tremor e afirmou que as consequências são bem piores que as do último terremoto, há dois anos.

Você pode gostar