Morre padre espanhol infectado pelo vírus ebola

Missionário foi o primeiro europeu afetado pelo vírus

Por tamara.coimbra

Espanha - O padre espanhol Miguel Pajares, de 75 anos, o primeiro europeu infectato pelo surto do vírus ebola que já matou mais de mil pessoas na África Ocidental, morreu em um hospital de Madri, informou nesta terça-feira uma porta-voz das autoridades municipais de saúde.

A porta-voz não disse quando morreu Pajares, que tinha sido transportado da Libéria para a Espanha na última quinta-feira depois de contrair a doença enquanto trabalhava para uma organização não governamental no país africano. O padre estava recebendo tratamento no Hospital Carlos III, onde estava em quarentena desde seu retorno da África.

Leia mais: OMS aprova uso de tratamentos experimentais no combate ao ebola

Equipe transporta o missionário Miguel Pajares em sua chegada ao hospital de MadriReuters

O Ministério da Saúde disse que Miguel estava sendo tratado desde sábado com o medicamento experimental ZMapp, fabricado pela companhia norte-americana Mapp Biopharmaceutical. Dois trabalhadores humanitários norte-americanos infectados pela doença têm mostrado alguns sinais de melhora desde que receberam o soro experimental.

A epidemia de febre hemorrágica, que afeta a região da África Ocidental, já fez mais de mil mortos, em 1.848 casos suspeitos, de acordo com o último balanço da Organização Mundial da Saúde, atualizado na noite desta segunda-feira.

Foram registrados 11 novos casos e seis mortos na Guiné-Conacri, 45 novos casos e 29 mortos na Libéria e 13 novos casos e 17 óbitos em Serra Leoa. Não foram registrados novos casos ou mortes na Nigéria.

O vírus ebola é transmitido por contato direto com o sangue, líquidos ou tecidos de pessoas ou animais infectados. Não há vacina conhecida para a doença.

Com informações da Agência Brasil e da Reuters

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia