Por leonardo.rocha

Síria - O Estado Islâmico (EI) executou, neste sábado, 18 pessoas em várias províncias da Síria e crucificou a maioria após acusá-las de colaborar com o regime de Damasco, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Dois homens foram assassinados e crucificados em um parque público na sexta-feira na cidade oriental de Deir ez Zor, por supostamente pertencer a uma milícia afim ao regime de Bashar al Assad. Nessa província, o grupo radical executou também três homens, um na cidade de Al Naeem e dois na de Hatla, pelos mesmos motivos.

Um combatente rebelde e um dirigente da Frente de Al Nura (afilial da Al Qaeda na Síria) foram mortos na cidade de Al Hisan, no oeste de Deir ez Zor, por "razões morais". Os corpos de ambos permanecerão crucificados em público durantetrês dias, assinalou o Observatório.

Grupo Estado islâmico tomou Mosul%2C no norte do Iraque Reuters



O grupo jihadista executou, além disso, dois homens na cidade deTal Abiad, na província de A Raqqah, por colocar artefatos explosivos nessa mesma cidade. A mesma pena foi aplicada a três homens - que também foram crucificados - na cidade de Bazaa, no leste da província de Aleppo(norte), por lutar contra o EI e colaborar com o regime.

Dois combatentes rebeldes tiveram a mesma sorte na população de Madiat al Mayadin, em Deir ez Zor, acusados de apostasia e de pertencer a grupos que lutam contra o EI. Por essa última acusação, foram executadas também quatro pessoas na região de Al Shadadi, um das fortificações do EI na província de Al Hasaka.

Por outro lado, o Estado Islâmico informou ao pai de uma dentista, que foi sequestrada há vários dias em Deir ez Zor, que a mulher foi executada por "formar uma célula de espionagem a favor do regime". A organização extremista sunita EI, que adota uma interpretaçãomuito radical do Islã, proclamou no final de junho um califado nas regiões de Iraque e Síria que estão sob seu controle.

Você pode gostar