Mais de 60 mil sul-coreanos morreram sem se reunir com familiares do Norte

Apenas cerca de 3 mil famílias puderam se reunir nos últimos 14 anos, segundo dados publicados neste domingo

Por O Dia

Coreia do Sul - Mais de 60.000 sul-coreanos que tinham solicitado permissão para se reunir com seus familiares do Norte morreram sem poder voltar a vê-los desde que foram separados pela Guerra da Coreia (1950-53), informou neste domingo o governo de Seul.

Desde que no ano de 2000 se celebrou a primeira cúpula intercoreana, 129.575 sul-coreanos iniciaram os trâmites para se reencontrar com seus parentes do outro lado da fronteira, mas deles 60.312 pessoas, 46,5%, morreram antes de obter a autorização necessária de ambos os governos. Só 3.094 famílias puderam se reunir nos últimos 14 anos, segundo os dados publicados neste domingo pelo Ministério da Unificação da Coreia do Sul.

Norte-coreanos em ônibus se despedem de parentes na Coreia do Sul%2C em 2009Reuters

A maioria dos solicitantes tem atualmente mais de 80 anos, assinalou o Ministério sul-coreano em comunicado. No dia 11 de agosto, Seul propôs a Pyongyang a realização de uma nova cúpula de alto nível para tratar diversos assuntos, entre eles o reencontro de famílias, mas por enquanto não recebeu resposta do país vizinho, segundo disseram fontes governamentais à agência Yonhap.

A última reunião de famílias separadas aconteceu no final do fevereiro passado, e foi a primeira deste tipo nos últimos três anos. Em tal reunião se 700 familiares de ambos os lados se reencontraram, após 60 anos de separação pela guerra que dividiu em duas a península da Coreia.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência